Círculo dos Advogados Portugueses organiza conferência de Concorrência

Auditório Morais Leitão, na MLGTS recebe, no dia 25 e 26, conferência organizada pela DLA Piper ABBC, Linklaters e MLGTS. MInistra da Justiça vai estar presente.

O Círculo dos Advogados Portugueses do Direito da Concorrência (CAPDC) promove e é anfitrião da IV Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência que se realiza nos dias 25 e 26 de janeiro, no Auditório João Morais Leitão, em Lisboa.

Ao longo de dois dias vão ser debatidos os principais temas relacionados com o Direito da Concorrência e discutido o impacto das principais decisões jurisprudenciais e de autoridades da concorrência de Portugal, Espanha, França e Itália.

As quatro jurisdições estão representadas no painel de oradores, que conta também com a presença da ministra da Justiça Francisca Van Dunem, (que fará a abertura do segundo dia do encontro), da presidente da Autoridade da Concorrência Margarida Matos Rosa, do presidente da Comisión Nacional de los Mercados y la Competencia, José Maria Marin Quemada, bem como com os representantes das congéneres do CAPDC em Espanha, Rafael Allendesalazar, em França, Pierre Zelenko e em Itália, Alberto Pera.

Destaca-se ainda a participação dos juízes portugueses do Tribunal de Justiça e do Tribunal Geral da União Europeia, José Luís da Cruz Vilaça e Maria José Costeira, e dos juízes do Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão. A Comissão Europeia estará representada pelo Diretor-Adjunto das Concentrações da Direção-geral de Concorrência, Carles Esteva Mosso.

A atual direção da CAPDC, eleita em abril de 2017, é composta por advogados que também integram o painel de oradores – Carlos Pinto Correia (presidente), da Linklaters, Margarida Rosado da Fonseca, da DLA Piper ABBC e Gonçalo Machado Borges, da MLGTS.

Estarão em debate não apenas questões que se suscitam no dia-a-dia das empresas, de que é exemplo o e-commerce e as restrições verticais (na cadeia de valor), como temas mais transversais, como por exemplo o controlo das operações de concentração, o impacto da diretiva sobre danos por infrações de concorrência, os direitos de defesa e do acesso à prova em sede de investigação, entre outros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Círculo dos Advogados Portugueses organiza conferência de Concorrência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião