Greve na Noruega põe petróleo a caminho dos 80 dólares

  • Rita Atalaia
  • 10 Julho 2018

Os preços do "ouro negro" estão a subir. Mas não à custa dos esforços da OPEP. É uma paragem da produção na Noruega que está a dar um novo fôlego às cotações da matéria-prima.

Os preços do petróleo estão a subir. Uma valorização que não se deve aos esforços da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para reduzir o excesso de matéria-prima no mercado, mas sim a uma paragem da produção na Noruega. Os trabalhadores das plataformas do país vão entrar em greve, o que está a dar um novo impulso às cotações do “ouro negro” rumo aos 80 dólares.

Neste contexto, o Brent, negociado em Londres, está a valorizar 0,79% para 78,69 dólares, atingindo um máximo de duas semanas, aproximando-se cada vez mais da fasquia dos 80 dólares por barril. Do outro lado do Atlântico, o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, avança 0,49% para 74,21 dólares.

Noruega leva petróleo a subir

Centenas de trabalhadores das plataformas offshore de petróleo e gás da Noruega devem entrar em greve esta terça-feira, depois de rejeitarem um acordo salarial proposto. Uma medida que deverá afetar pelo menos um campo de petróleo da Shell, em Knarr. Ou seja, haverá menos produção da matéria-prima no Mar do Norte, o que está a puxar pelos preços.

Apesar desta diminuição na oferta norueguesa, o impacto nas cotações deverá ser travado pelo acordo entre a Arábia Saudita e os seus aliados, incluindo a Rússia, para aumentarem a produção da matéria-prima. O objetivo foi compensar uma quebra no Irão e responder à procura global que não para de crescer.

“No fim de contas trata-se da capacidade disponível dentro da OPEP (…) e os mercados começaram a concentrar-se nisso”, disse Victor Shum, vice-presidente para energia da IHS em Singapura, citado pela Reuters.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greve na Noruega põe petróleo a caminho dos 80 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião