Setor dos resíduos dá mais 3,6 mil milhões de euros à economia

  • Lusa
  • 10 Julho 2018

Segundo um estudo divulgado esta terça-feira, em 2016 o setor dos resíduos gerou uma produção adicional na economia portuguesa de 3,6 mil milhões de euros.

A atividade do setor dos resíduos gerou uma produção adicional na economia portuguesa de 3,6 mil milhões de euros em 2016, a que correspondem 43 mil postos de trabalho, estima um estudo divulgado esta terça-feira.

A versão atualizada do estudo “Relevância e Impacto do Setor dos Resíduos em Portugal na Perspetiva de uma Economia Circular”, promovido pela Associação Smart Waste Portugal e realizado por um grupo liderado pelo economista Augusto Mateus, retrata esta área de atividade e volta a referir as expectativas para o seu desenvolvimento até 2030.

Àquela produção adicional na economia corresponde, segundo o estudo, um Valor Acrescentado Bruto (VAB) de dois mil milhões de euros e cerca de 43 mil postos de trabalho, além de requerer um acréscimo de importações de cerca de 284 milhões de euros.

O documento refere estatísticas oficiais, apesar de os autores apontarem que a sua “robustez é discutível”, para dizer que em 2016, a economia portuguesa gerou cerca de 14,8 milhões de toneladas de lixo, dos quais 4,9 milhões de resíduos urbanos. Do total de resíduos produzidos, foram valorizados 71%, equivalentes a 10,6 milhões de toneladas.

Apenas metade do total de resíduos urbanos ou equiparados são sujeitos a valorização, “embora a última década se tenha caracterizado por um aumento” deste tipo de tratamento, quando em 2004, era 34,8%, segundo o estudo.

A recolha seletiva – de papel e cartão, plástico, metal e vidro, mas também de resíduos urbanos biodegradáveis – corresponde a 15,9% do total do lixo urbano, “não obstante ter aumentado em anos recentes”, acrescenta.

“O peso da deposição em aterro no panorama nacional ainda é muito elevado, pelo que este é visto como uma oportunidade e uma imposição na mudança de paradigma, tendo as empresas um papel muito relevante nesta transição”, acrescentam os autores do trabalho.

Em 2016, o setor dos resíduos em Portugal era formado por 2.542 entidades, que empregavam cerca de 25 mil trabalhadores e faturavam quase 2,5 mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Setor dos resíduos dá mais 3,6 mil milhões de euros à economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião