Tem um iPhone? Estudo diz que é muito provável que ganhe bem acima da média

  • Juliana Nogueira Santos
  • 10 Julho 2018

É utilizador de iPhone ou iPad? Segundo investigadores da Universidade de Chicago este é um sinal de que tem rendimentos mais altos que a média, pelo menos nos Estados Unidos.

“Diz-me com que smartphone andas, dir-te-ei quanto dinheiro tens.” A adaptação do ditado antigo é a conclusão de um estudo norte-americano que mostra que ter um iPhone ou um iPad é um indício muito forte de riqueza e rendimentos altos.

Os investigadores da Universidade de Chicago, Marianne Bertrand e Emir Kamenica, analisaram a relação entre a demografia dos Estados Unidos e os comportamentos de consumo de bens, serviços e até informação e chegaram à conclusão que não há uma marca que diga “eu ganho bem” como a Apple.

Enquanto em 1992, se alguém utilizava mostarda Grey Poupou Dijon havia 62,2% de probabilidade de esta estar no percentil mais alto de rendimentos, em 2004 era quem consumia manteiga Land O’Lakes Regular que se poderia apontar como mais rica. Já em 2016, ter um iPhone ou um iPad dá 69,1% e 66,9% de probabilidade de ser visto como alguém com rendimentos altos.

O estudo não inclui, ainda assim, a época em que foram lançados os equipamentos mais caros da Apple, sendo eles o iPhone X, que está à venda em Portugal por perto de 1.200 euros, e o iPhone 8, que na etiqueta mostra o preço de cerca de 820 euros.

Os investigadores utilizaram inteligência artificial para analisar os dados da Mediamark Research Intelligence, que faz questionários duas vezes por ano para determinar métricas como os rendimentos ou os hábitos de consumo. A conclusão é que, num país fraturado pelas questões políticas e sociais, os hábitos de consumo são um laço que une os norte-americanos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem um iPhone? Estudo diz que é muito provável que ganhe bem acima da média

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião