PSD e PS chegam a acordo na lei da Uber. Plataformas pagam 5%

Depois do PSD, o PS também já propõe uma contribuição de 5% sobre o valor de cada viagem feita através de plataformas eletrónicas. Há acordo na lei da Uber, confirmou o ECO.

O PS e o PSD deverão avançar com uma proposta para que as plataformas como a Uber paguem uma contribuição de 5% sobre a receita obtida com cada viagem, uma tentativa de aproximar o regulamento às preocupações já expressadas pelo Presidente da República. A notícia foi avançada pelo Dinheiro Vivo e confirmada pelo ECO junto dos dois partidos. A proposta deverá ser conhecida esta quinta-feira, data em que a mesma volta a ser discutida no Parlamento.

A “lei da Uber” irá regulamentar, para além da conhecida aplicação, a atividade de outras plataformas como a Cabify e Taxify. A primeira versão do documento foi conseguida após mais de um ano de negociações no Parlamento, mas acabou por ser chumbada em Belém a 29 de abril deste ano. Na altura, Marcelo Rebelo de Sousa exigiu, em linhas gerais, que as plataformas sejam obrigadas a pagar uma contribuição maior do que o proposto e que os deputados também se debruçassem sobre a modernização do setor do táxi.

Até aqui, a contribuição proposta pelos partidos fixava-se entre 0,1% e 2%, mas o valor deverá, desta forma, subir até aos 5%. “O PS vai apresentar uma proposta de alteração à lei que regula a atividade das plataformas de transportes. Propomos que haja uma contribuição de 5%, que recai sobre a margem de intermediação aplicada no valor da viagem”, disse o deputado socialista João Paulo Correia, em declarações citadas pelo Dinheiro Vivo. O PSD já tinha proposto esta contribuição de 5% na semana passada, como revelou o Jornal de Negócios (acesso condicionado).

A contribuição de 5% era a proposta inicial do PSD. No entanto, como já tinha noticiado o ECO, as negociações com o PS levaram a que o valor fosse revisto até um máximo de 2%. A medida surgiu já na reta final da discussão do documento na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas e nunca tinha feito parte de nenhuma outra proposta durante os vários meses em que o tema foi debatido. Para Marcelo Rebelo de Sousa, esta contribuição, que era “relevante”, virou “simbólica” após o acordo entre os dois partidos. A mensagem foi clara: o Presidente entende que as plataformas devem ser obrigadas a pagar mais.

Nos termos da primeira versão do documento, esta contribuição “visa compensar os custos administrativos e regulação e acompanhamento das respetivas atividades e estimular o cumprimento dos objetivos nacionais em matéria de mobilidade urbana”. A receita obtida pelo Estado com esta medida é afeta em 40% ao Fundo para o Serviço Público de Transportes, em 30% à Autoridade da Mobilidade e dos Transportes e em 30% ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes.

O Dinheiro Vivo escreve ainda que o PS vai clarificar esta quinta-feira, em plenário, a possibilidade de empresas de táxi poderem vir a funcionar como empresas parceiras das plataformas. Para tal, terão de usar carros “diferentes” na atividade de táxi e nas plataformas, se “cumprirem os requisitos de formação de motorista” e se “não forem usados os benefícios fiscais” da indústria do táxi.

(Notícia atualizada pela última vez às 13h33)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD e PS chegam a acordo na lei da Uber. Plataformas pagam 5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião