Trabalhadores da Autoeuropa reclamam aumentos de 4%, 25 dias de férias e integração de 400 precários

  • ECO
  • 12 Julho 2018

Aumento salarial de 4%, 25 dias de férias e integração de 400 precários são algumas das reivindicações que a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa vai apresentar à administração.

A Comissão de Trabalhadores (CT) do Parque Industrial da Volkswagen/Autoeuropa tem uma longa lista de reivindicações para apresentar durante as negociações com a administração da empresa. Quer aumentos de 4%, sábados e domingos pagos a duplicar, mas também mais dias de férias. E defende que seja feita a integração de 400 precários.

De acordo com o caderno reivindicativo para o próximo ano, a que o ECO teve acesso, os trabalhadores da fábrica de Palmela defende um aumento salarial de 4% “com um mínimo de 36 euros”. No âmbito do pacote remuneratório, e tendo em conta a laboração contínua, defendem o pagamento a duplicar aos sábados e domingos. Atualmente, os sábados são pagos como dia normal, salvo algumas exceções.

É defendida também a atualização dos prémios de desempenho, mas também a atribuição de um prémio de reconhecimento aos funcionários de “500 euros, pago em janeiro de 2019”.

Ao mesmo tempo, a CT pretende que a empresa aumente o número de dias de férias. Atualmente são 22 dias, como acontece na generalidade das empresas, mas os trabalhadores defendem 25 dias. Querem que todos os funcionários tenham direito a dois dias extra, sendo atribuído um terceiro no caso dos funcionários que não apresentem faltas.

Não há despedimentos. Querem 400 precários integrados

Ao mesmo tempo que pedem mais salários, prémios e férias, os trabalhadores querem garantir junto da administração da empresa que não haverá qualquer despedimento coletivo durante a vigência deste acordo que agora vai ser discutido, ou seja, durante o próximo ano. E pedem que mais trabalhadores sejam integrados nos quadros.

A proposta de caderno reivindicativo, que deverá ser discutida na próxima quinta-feira, dia 19 de julho, com os trabalhadores em plenário, prevê que a Autoeuropa se comprometa a converter “até setembro de 2019 a passagem de 400 contratos a prazo em contratos sem termo”.

Estas reivindicações acontecem numa altura em que a produção de automóveis na fábrica de Palmela está a acelerar à boleia do T-Roc. O SUV compacto da Volkswagen está a puxar pela produção de automóveis em Portugal que praticamente duplicou nos primeiros seis meses deste ano para um total de 154 mil unidades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores da Autoeuropa reclamam aumentos de 4%, 25 dias de férias e integração de 400 precários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião