Trump ameaçou sair da NATO mas garante que “não será necessário”

Trump terá ameaçado sair da NATO se os aliados não aceitarem aumentar as metas da despesa. Em declarações aos jornalistas, o presidente confirmou que o poderia fazer, mas que "não será necessário".

Donald Trump terá ameaçado sair da NATO se os aliados não aceitarem aumentar as metas da despesa da Defesa, adianta o Politico, que cita oficiais e diplomatas da NATO.

O presidente norte-americano terá ameaçado “graves consequências”, se os aliados não se comprometerem imediatamente a aumentar o investimento. Fontes citadas pela Reuters garantem, no entanto, que Donald Trump não colocou em cima da mesa a saída dos EUA da aliança em causa, tendo apenas atacado duramente os parceiros.

Em reação a este duro ataque do líder norte-americano, foi convocada uma reunião de emergência dos líderes da NATO para discutir que decisão tomar. Fora da sala ficou, contudo, Donald Trump, que decidiu aproveitar esta manhã para fazer uma conferência de imprensa.

“Não estou a negociar, só quero o que é justo para os Estados Unidos”, disse o político, em declarações aos jornalistas, sublinhando que, a certo momento, o seu país chegou a financiar 90% da NATO. Sobre a possibilidade dos EUA abandonarem a aliança em causa, Donald Trump confirmou que o poderia fazer, mesmo sem o apoio do Senado, mas notou que tal “não será necessário”, porque os parceiros entretanto concordaram em aumentar as suas contribuições em 33 mil milhões de dólares.

Questionado ainda sobre a eficácia diplomática destes confrontos tão diretos, especialmente com a Alemanha, Trump salientou que é uma “forma muito efetiva” de conduzir as relações com os restantes parceiros e adiantou: “Eles aumentarão [as sua contribuições] e chegarão aos 4%, num período relativamente curto”.

Donald Trump acusou, no início da semana, os parceiros da NATO de estarem em incumprimento no que diz respeito às despesas militares e sugeriu que os EUA deveriam ser reembolsados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump ameaçou sair da NATO mas garante que “não será necessário”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião