Estado gastou mais de 13 milhões de euros em passes sociais

O Estado gastou mais de 13 milhões em compensações aos operadores de transportes coletivos que aderiram aos passes escolares. O valor deve subir agora que os descontos foram alargados.

O Estado pagou, em 2016, mais de 13 milhões de euros em compensações atribuídas aos operadores de transportes coletivos que aderiram aos passes escolares Sub23 (para universitários com até 23 anos) e 4_18 (para estudantes dos 4 aos 18 anos). Os dados foram avançados esta sexta-feira pelo Instituto de Mobilidade e dos Transportes, no seu Anuário Estatístico.

No ano em causa, 249.236 jovens beneficiaram dessa primeira modalidade e 451.731 crianças foram abrangidas pelas vantagens implicadas na segunda. De acordo com as carências financeiras de cada utilizador, o desconto implicado nestes passes pode mesmo chegar aos 60%.

No total, o Estado acabou, por isso, por pagar em compensações aos operadores de transportes coletivos 7.456.121,66 euros pelo Sub23 e 5.839.072,52 euros pelo 4_18, o que está em linha com o despendido nos anos anteriores.

Criados em 2009, estes passes escolares viram, em 2012, as suas condições serem significativamente alteradas. Primeiro, os descontos foram cortados para metade; depois, passaram a estar reservados apenas aos estudantes beneficiários de bolsa de estudo e de apoio social em geral. Daí que o montante gasto em compensações tenha baixado de mais de 27 milhões de euros, em 2012, segundo a Resolução do Conselho de Ministros, para pouco mais de 13 milhões de euros em 2016, ou seja, para menos da metade.

Esse valor deve, no entanto, ter engordado em 2017, já que tanto o Sub23 como o 4_18 passaram a abranger mais estudantes, isto é, voltaram a estar disponíveis mesmo para os jovens e crianças que não têm apoio social. O alargamento foi aprovado no final de 2016, por sugestão do Bloco de Esquerda e dos Verdes, respetivamente.

Na altura, foi adiantado que a medida iria custar ao Estado cerca de 1,5 milhões de euros, mas os gastos efetivos só poderão ser calculados quando se analisar o número de estudantes que aderiram aos descontos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado gastou mais de 13 milhões de euros em passes sociais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião