Receios de interrupção de produção aliviam. Petróleo afunda 4%

As cotações do petróleo seguem em forte queda nos mercados. O preço do brent e do crude afundam 4%, perante os sinais de alívio em termos de perturbações de produção e do esperado aumento da oferta.

As cotações do petróleo estão sob forte pressão nos mercados internacionais. O preço do barril da matéria-prima afunda em torno de 4% nos dois lados do Atlântico, perante os sinais de alívio no que respeita a interrupções de produção, com os investidores a estarem ainda já de olho no esperado aumento da produção por parte da Rússia e outros países produtores.

O preço do barril de brent recua 4,16%, para os 72,22 dólares — mínimos de três meses — no mercado londrino, enquanto o crude desvaloriza 3,83%, para os 68,29 dólares, no mercado de Nova Iorque.

O recuo das cotações do “ouro negro” acontece numa altura em que os portos da Líbia reabriram, ao mesmo tempo que se avizinha um esperado aumento da oferta de petróleo.

Brent em forte queda

“O complexo perdeu pouco tempo a compensar os ganhos registados na sexta-feira tendo em conta que o espetro de aumento de produção proveniente da Arábia saudita, Rússia e os Estados Unidos ficaram sob crescente foco agora que os portos da Líbia aparentam ter reaberto”, afirmou Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbursch e Associados, numa nota de research citada pela Reuters.

Tudo aponta para que a Rússia e outros países produtores de petróleo possam aumentar a produção em um milhão de barris por dia, ou mesmo mais, caso as falhas de abastecimento atinjam o mercado, afirmou o ministro da Energia da Rússia, Alexander Novak, aos jornalistas na passada sexta-feira.

A pesar no rumo das cotações poderão estar ainda as notícia que dão conta que os Estados Unidos possam já ter atingido o limite da sua reserva estratégica de petróleo, o que poderá ser um sinal de mais matéria-prima disponível no mercado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receios de interrupção de produção aliviam. Petróleo afunda 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião