Farfetch compra agência chinesa de marketing digital. Pisca o olho ao WeChat

A Farfetch comprou a CuriosityChina, uma agência chinesa de marketing digital. A empresa vai ajudar José Neves a expandir a pegada da Farfetch na China, vendendo artigos de luxo na aplicação WeChat.

A Farfetch comprou a CuriosityChina, uma agência chinesa de marketing digital que passará a estar integrada na empresa liderada pelo português José Neves. O montante da compra não foi revelado. Segundo a Bloomberg (acesso condicionado), a empresa deverá ajudar a Farfetch a expandir a venda de artigos de luxo no serviço de mensagens chinês WeChat, que conta com mais de mil milhões de utilizadores na China.

A compra da tecnológica chinesa surge pouco mais de um ano depois de a empresa de comércio eletrónico JD.com, com sede na China, ter investido 356 milhões de euros na Farfetch. Desde então, a loja online de artigos de luxo tem vindo expandir a sua pegada no mercado chinês, numa altura em que se adensam os rumores de que a empresa estará a preparar também uma entrada em bolsa.

A homepage da Farfetch na China.

Num comunicado, a Farfetch confirma a operação e explica que a CuriosityChina tem uma “lista crescente de clientes de mais de 80 marcas e empresas”. Para a empresa liderada por José Neves, a agência agora adquirida vai ajudar a Farfetch a “expandir para a China ou a chegar a potenciais clientes chineses que estão a ir para outros mercados”.

Segundo a Bloomberg, as boutiques que usam a plataforma da Farfetch vão poder criar lojas próprias no WeChat, mas a Farfetch também poderá vender artigos de luxo diretamente no seu próprio canal na aplicação.

Plataformas como o Facebook estão impedidas de operar na China, pelo que o WeChat é a aplicação de preferência que reúne muito do que a população pode fazer na internet. Apesar de ser um serviço de chat, a app permite fazer compras e pagamentos, chamar táxis ou mesmo encomendar uma pizza. É um conceito diferente do ocidente: enquanto na Europa e nos EUA os utilizadores tendem a usar diferentes aplicações para diferentes tarefas, na China a maioria dos serviços estão concentrados num único marketplace.

Esta abrangência é reconhecida por Giorgio Belloli, administrador comercial e de sustentabilidade da Farfetch, que disse recentemente numa entrevista que “praticamente tudo na China acontece no WeChat”. “Há anos que mantemos conversações com marcas de luxo e em todas as reuniões perguntam-nos sobre a China”, acrescentou.

Num comunicado sobre a compra da agência chinesa, Giorgio Belloli explica a lógica desta aquisição: “A solução que podemos oferecer agora às marcas de luxo dá-lhes a combinação invejável de poderem manter a independência e a personalidade da marca e, ao mesmo tempo, beneficiar das potencialidades únicas do marketing digital, alavancadas pelo poder da plataforma da Farfetch e pelo extenso conhecimento da CuriosuityChina”. Judy Liu, cofundador da CuriosityChina, vai ser diretor-geral da empresa no mercado chinês.

(Notícia atualizada pela última vez às 10h44)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Farfetch compra agência chinesa de marketing digital. Pisca o olho ao WeChat

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião