Já aterrou em Beja. Conheça dez números que fazem do A380 o maior do mundo

  • ECO
  • 23 Julho 2018

80 metros de uma ponta da asa à outra. Multiplicando por 10, tem o número que consegue carregar: cerca de 800 passageiros. A HiFly é a primeira companhia nacional a operá-lo, mas a 14.º mundialmente.

O maior avião de passageiros do mundo já aterrou em Portugal. Foi no aeroporto de Beja, o único em território nacional com capacidade para albergar um avião desta envergadura, que o A380 da Airbus se estreou em solo português.

A aeronave da HiFly, que comprou o avião já usado pela Singapore Airlines nos últimos dez anos, aterrou por volta das 17h00 no Aeroporto de Beja, ficando “estacionada” em solo nacional até quinta-feira.

Fonte: FlightRadar24

A companhia portuguesa é a primeira a ter este aparelho em regime de wet lease, um regime onde disponibiliza o avião, a tripulação completa, e garante a manutenção e o seguro do avião, recebendo em troca o pagamento pelas horas operadas por parte da companhia operadora.

A HiFly marcou presença na Farnborough Airshow 2018 em conjunto com a Airbus, onde foi revelada a nova pintura do avião que se destaca por apelar à defesa dos recifes de corais.

Conheça dez factos sobre o A380:

  • A envergadura do A380 é de cerca de 80 metros, ou seja de uma ponta da asa à outra. Tem 72,7 metros de comprimento, e 24 metros de altura. Em termos de dimensões, o A380 é quase o dobro de um Boeing 737 MAX 8, que mede 39,5 metros de comprimento, 14,3 metros de altura e 35,9 metros de envergadura.
  • O Airbus A380 pode transportar mais de 800 pessoas quando é configurado apenas para classe económica. O modelo comprado pela HiFly tem capacidade para 471 passageiros distribuídos por três classes. Numa configuração de alta densidade pode transportar até 853 passageiros.
  • O preço de tabela do modelo é de 436,9 milhões de dólares. O valor da compra da HiFly não foi revelado.
  • O avião pode descolar com peso máximo de 575 toneladas.
  • No depósito pode carregar até 320 mil litros de combustível para alimentar os seus quatro motores, que são Rolls Royce Trent 900.
  • O avião voa a uma velocidade de 965 quilómetros por hora, com autonomia de 15,2 mil quilómetros, o suficiente para voar sem escalas de Dallas para Sydney.
  • A Emirates Airlines foi a primeira companhia a voar com um A380 e tem na sua frota mais de uma centena deles. De acordo com os últimos dados, são 108 em operação, e 45 já pedidos.
  • São 14 as companhias aéreas que operam com este modelo, em todo o mundo. Em Portugal, a HiHly é a primeira.
  • O primeiro voo de um A380 foi há pouco mais de uma década, em outubro de 2007.
  • As emissões emitidas pelo gigante são de 75 gramas de CO2 por passageiro por quilómetro, o que minimiza o impacto ambiental, já que na sua categoria as emissões são mais altas.

Para além dos vídeos do “batismo de voo”, a companhia publicou também as imagens de um voo baixo, conhecido como “Low Pass”, que serve para testar as condições antes da aterragem.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já aterrou em Beja. Conheça dez números que fazem do A380 o maior do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião