Martifer dispara 15% depois do batismo do primeiro navio encomendado pelo Estado

Depois do batismo do primeiro de dois navios encomendados pelo Estado à West Sea, os títulos da Martifer -- grupo que detém esse estaleiro -- estão a subir quase 15%.

Depois do batismo do primeiro de dois navios patrulha encomendados pelo Estado à West Sea ter animado as redes sociais, o grupo que detém este estaleiro naval volta a ser notícia por outra razão: os títulos estão a disparar. Esta segunda-feira, as ações da Martifer estão a valorizar 14,5% para 0,41 euros. O grupo está a negociar cerca de 222 mil títulos, que correspondem a 86 mil euros.

Foi na sexta-feira que o primeiro-ministro presidiu à cerimónia de batismo do Oceânica, o primeiro de dois navios em construção pela participada do grupo industrial Martifer. Durante a cerimónia, António Costa deu os parabéns à “indústria portuguesa de construção e reparação naval”, considerando a construção dos navios referidos “um exemplo muito feliz” do que se pretende fazer “para reforçar as Forças Armadas”.

Segundo o Diário de Notícias, o presidente do grupo Martifer revelou ainda que a West Sea está a construir seis navios e emprega atualmente mais de mil trabalhadores. Carlos Martins adiantou também que, desde 2014, ano em que o grupo Martifer assumiu os estaleiros navais em causa, “foram investidos oito milhões de euros”.

Além disso, o responsável anunciou a construção de “uma nova doca de 200 metros de comprimento, num investimento de 11 milhões de euros”, o que também terá animado os investidores, esta segunda-feira.

De fora da lista dos convidados, ficou o antigo ministro da Defesa José Pedro Aguiar-Branco, responsável por essa encomenda e pela subconcessão a privados da atividade dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC).

A ausência não caiu bem ao político, que usou o Facebook para mostrar o seu desagrado. “Hoje, do socialista autarca de Viana do Castelo ao primeiro-ministro e a sua mulher, passando pelo neossocialista ministro da Defesa, vão estar todos a aplaudir o que tanto criticaram, nos últimos anos“, escreveu Aguiar-Branco, na rede social.

No mesmo post, o político acrescentou: “Por Portugal, valeu a pena, ‘contra tudo e contra todos estes’ lutar pela solução que acreditei ser a melhor para o país e para a região”. Recorde-se que a decisão de subconcessionar a atividade em causa foi, na altura, abertamente criticada pelos socialistas.

Evolução das ações da Martifer

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Martifer dispara 15% depois do batismo do primeiro navio encomendado pelo Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião