Alphabet puxa por Wall Street. Petróleo também acelerou

A dona da Google e os títulos do setor tecnológico em geral e também as energéticas foram dos principais responsáveis pelos ganhos em Wall Street.

As ações norte-americanas encerraram em alta, num dia marcado pela subida dos títulos das tecnológicas. A Alphabet, dona da Google, sobressaiu e puxou pelas pares do setor. Já a subida das cotações do petróleo impulsionaram os títulos das energéticas.

O S&P 500 encerrou a sessão a valorizar 0,46%, para os 2.819,97 pontos, enquanto o Dow Jones somou 0,78%, para os 25.238,42 pontos. Mas o centro das atenções em Wall Street foi para o Nasdaq que atingiu um novo máximo intradiário de sempre ao negociar nos 7.475,991 pontos. Mas o índice acabou por terminar quase inalterado, com um deslize ligeiro de 0,02%, para os 7.840,09 pontos.

Wall Street foi impulsionado pela época de resultados que para a Alphabet, dona da Google, foi muito positiva. O grupo Alphabet apresentou na segunda-feira um lucro no primeiro semestre do ano de 12,596 mil milhões de dólares, mais 40% do que o registado no mesmo período do ano passado.

A notícia ditou fortes ganhos não só para a mãe o Google, como para os restantes títulos do setor. As ações da Alphabet dispararam perto de 4%, com a empresa a aproximar-se da fasquia dos 900 mil milhões de dólares em termos de valor de mercado.

Outras cotadas que integram o conjunto das designadas FAANG seguiram um rumo similar. Os títulos do Facebook aceleraram também quase 2%, enquanto a Amazon progrediu 1,5%.

A puxar pelo mercado acionista norte-americano estiveram ainda os títulos das energéticas, contagiados pela valorização dos preços do petróleo nos mercados internacionais. As cotações do crude valorizavam perto de 0,84%, para os 68,46 dólares por barril.

A época de resultados tem sido robusta até ao momento nos EUA, sendo que 82% das 90 empresas cotadas no S&P 500 que já divulgaram contas superaram as estimativas para os lucros, indica a Reuters. Resultados que se têm refletido no rumo do mercado acionista norte-americano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alphabet puxa por Wall Street. Petróleo também acelerou

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião