Bancos portugueses cobram o dobro dos espanhóis em comissões. Cá custam 78, lá são 38 euros

  • Rita Atalaia
  • 24 Julho 2018

O preço médio cobrado pelos bancos portugueses aos clientes é de 78 euros por ano. Isto em comparação com os 38 euros que as instituições espanholas cobram. Ou seja, o custo duplica entre os países.

De subida em subida, os bancos portugueses estão a ganhar cada vez mais com comissões aplicadas aos seus clientes, procurando assim regressar aos lucros. As instituições nacionais continuam a cobrar abaixo da média de outros países europeus, mas as comissões cobradas são já mais do dobro das exigidas pelos bancos espanhóis.

De acordo com o estudo da Deloitte, realizado a pedido dos bancos espanhóis, os bancos portugueses — foram considerados os preçários do Novo Banco, Santander Totta, BCP e ActivoBank –, cobram, em média, 78 euros em comissões por ano aos seus clientes. A média das comissões consideradas neste estudo é de 91 euros, sendo a Alemanha a mais cara e o Reino Unido o mais barato.

Se na comparação europeia os bancos portugueses ficam bem na “fotografia”, o mesmo não acontece numa comparação com o país vizinho. Segundo a Deloitte, um cliente bancário espanhol tem, em média, um encargo de 38 euros anuais. Ou seja, os portugueses, apesar de menores rendimentos, pagam mais do dobro.

Portugal cobra 78 euros por ano em serviços bancários

Fonte: Deloitte

“Espanha é o segundo país mais barato de Europa na prestação de serviços básicos aos seus clientes, com um preço médio 58% menor à media dos países analisados”, refere a Deloitte.

Clientes digitais pagam o triplo dos espanhóis em comissões bancárias

Se no custo de um cliente tradicional é elevado face a Espanha, quando considerando os clientes digitais, a diferença torna-se ainda mais expressiva entre as comissões cobradas cá e lá. As comissões custam, em média, 61 euros anuais na banca nacional, três vezes mais do que acontece do outro lado da fronteira (20 euros). Na Europa, o custo médio é de 60 euros.

Poucos serviços, poucos gratuitos

No mesmo estudo, a consultora refere ainda que as instituições financeiras portuguesas também são das que oferecem menos serviços bancários. Em Portugal, os bancos disponibilizam 69 serviços, enquanto Espanha oferece 115 e a média europeia se situa nos 82.

Já quando se trata do número de serviços gratuitos, os bancos nacionais caem para último lugar nesta tabela que inclui Alemanha, Espanha, França, Holanda, Itália e Reino Unido. Os clientes do Novo Banco, BCP, Novo Banco e ActivoBank têm ao seu dispor 47 serviços sem quaisquer custos, muito longe dos 87 do país vizinho. Só 68% dos serviços totais são grátis na banca nacional, contra 72% da média europeia e 76% em Espanha.

Neste campo são os bancos britânicos que se destacam por apostarem no acesso gratuito e cobrarem apenas por alguns serviços bancários. Em Espanha há uma maior aposta no modelo relacional. Ou seja, cobra por acesso e utilização por produto ou serviço. Já o chamado bundling (pacote de produtos em que os clientes pagam por serviços que não estão incluídos) domina nos restantes países, incluindo Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos portugueses cobram o dobro dos espanhóis em comissões. Cá custam 78, lá são 38 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião