Aumento da procura de imóveis impulsiona resultados da Century 21

  • Lusa
  • 27 Julho 2018

A Century 21 Portugal registou no primeiro semestre deste ano um aumento de 30% na faturação, na comparação homóloga, para um total de 19,3 milhões de euros.

A Century 21 Portugal registou no primeiro semestre deste ano um aumento de 30% na faturação, na comparação homóloga, para um total de 19,3 milhões de euros, informou a empresa imobiliária.

A empresa informou ainda que o volume de negócios mediado exclusivamente por si subiu, até junho, 34% para os 462,1 milhões de euros, enquanto o volume de negócios total em que a rede esteve envolvida ultrapassou os 770 milhões de euros (+180 milhões de euros na comparação com o primeiro semestre de 2017).

Entre janeiro e junho, a Century 21 realizou 5.688 vendas de imóveis (+17%), com o valor médio dos imóveis transaccionados a aumentar 11% para os 135,4 mil euros, a nível nacional.

Este aumento foi justificado pelo “acréscimo dos preços dos imóveis nos mercados periféricos – e nos segmentos médio e médio baixo – em consequência do aumento da procura de soluções de habitação, nestas zonas”, acrescentou a empresa.

A maior procura é por casas T2 e T3, por “famílias portuguesas de classe média e incide, principalmente, em imóveis dos segmentos médio e médio baixo, tendo em conta a real capacidade financeira deste grupo demográfico”, refere.

Já em termos de arrendamento, a rede imobiliária registou 1.009 transações, numa queda de 3%, numa confirmação da tendência neste setor desde 2014, e um valor médio, a nível nacional, de 653 euros (-4%).

Porém, no distrito de Lisboa o valor médio das transações de arrendamento subiu para 883 euros e na cidade de Lisboa atingiu os 1.040 euros.

Citado em comunicado, o presidente executivo da rede, Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal, comentou que “a oferta atual do mercado de arrendamento não é suficiente, nem adequada, para dar resposta às necessidades e capacidades económicas dos portugueses”, pelo que muitos jovens estão a decidir comprar casa mesmo numa “fase da vida em que ainda enfrentam grandes indefinições, a nível pessoal e profissional”.

“As recentes políticas de habitação para estimular o arrendamento, apesar de bem-intencionadas, estão muito focadas em soluções de curto prazo. É necessária uma reflexão mais profunda sobre este tema, que também envolva os operadores, que possam dinamizar soluções de oferta para o mercado de arrendamento, para se criarem orientações que incentivem mudanças estruturais de longo prazo”, acrescentou.

Nesta apresentação de resultados semestrais, a Century 21 revelou ainda que o segmento internacional representa cerca de 20% do total das suas transacções da rede imobiliária.

“Entre janeiro e junho deste ano, foram efetuadas 1.138 transacções de clientes internacionais, que cresceram 15,4% face às 986 registadas nos primeiros seis meses de 2017. Os mercados internacionais com posição mais relevante na aquisição de imóveis em território nacional foram a França, Brasil, Reino Unido e Bélgica”, segundo a empresa.

Estes clientes procuram sobretudo imóveis até 300 mil euros, tipologias T2, nas regiões de praia e centros históricos de Lisboa, Porto e outras cidades do país.

Nos centros de Lisboa, Porto e na Linha de Cascais, o valor atinge os 500 mil euros, pelo que tem havido procura de casas “noutros mercados, num raio de 150 a 200 quilómetros dos aeroportos nacionais”.

“Os clientes internacionais valorizam o “lifestyle” que o país oferece, a qualidade da construção, as modernas infraestruturas e o valor competitivo do imobiliário em Portugal, comparativamente com outros países”, referiu Ricardo Sousa.

Neste semestre, em termos de tendências de mercado, a rede imobiliária notou a “maior dinâmica de transações” nas zonas periféricas das cidades, ou seja nos locais onde o “acesso ao crédito à habitação tem uma maior influência no número de transações, e onde o valor médio dos imóveis está mais ajustado ao rendimento disponível das famílias portuguesas”.

“A conjunção destes fatores influencia as atuais dinâmicas do setor imobiliário nacional, e permite concluir que o poder de compra da maioria dos portugueses não suporta os níveis de preços da habitação, nos centros das maiores cidades nacionais”, acrescentou a Century 21.

O preço desejado pelos portugueses situa-se entre os 75 mil e os 200 mil euros, segundo o CEO da empresa.

A empresa comentou ainda a “clara apetência por metodologias de construção mais sustentáveis e ecológicas, com recurso a tecnologias de construção avançadas, que permitem reduzir tempos de obra e diminuir custos de construção”.

A rede Century 21 aumentou para 110 o número de lojas em operação, a nível nacional, inaugurando até junho 10 unidades.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Aumento da procura de imóveis impulsiona resultados da Century 21

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião