O que estão a dizer os políticos nas redes sociais sobre o negócio imobiliário de Robles

  • ECO
  • 27 Julho 2018

Redes sociais inundadas com comentários à notícia de que o vereador da Câmara de Lisboa, Ricardo Robles, poderá vir a ganhar milhões com um prédio em Alfama.

Ricardo Robles, vereador da Câmara de Lisboa e um dos maiores críticos da especulação imobiliária na capital, prepara-se para realizar uma mais valia de 4,7 milhões de euros com um prédio em Alfama. Um negócio milionário que depressa gerou polémica nas redes sociais, dando origem a inúmeros comentários, inclusive do próprio bloquista, que quis explicar o sucedido.

Robles garante, no Twitter, que “a decisão de venda, ainda não concretizada, obedece a constrangimentos familiares que não dependem apenas da minha vontade. Todas as minhas obrigações legais, fiscais e de transparência foram cumpridas.

Os deputados do Bloco de Esquerda não teceram, até ao momento, qualquer tipo de comentários, limitando-se apenas a retweetar o post feito por Ricardo Robles.

Carlos Abreu Amorim, do PSD, também já reagiu à notícia de que Ricardo Robles poderá ganhar milhões com prédio em Alfama. Para o deputado é uma “hipocrisia sem limites, nem freios…“.

Duarte Marques, também do PSD, diz, na sua conta de Twitter, “a coerência do Bloco de Esquerda rendido à especulação imobiliária.

Para o presidente do Conselho de Administração da Sociedade Ponto Verde (SPV), António Nogueira Leite, “isto do Robles é uma montagem suja da direita para esconder o escândalo que foi ter deputados do CDS num comboio“.

O ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, diz não ver “nada de censurável na atuação privada do vereador do BE em Lisboa“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€