Há três municípios onde o preço do metro quadrado duplicou num ano

Em Portel, Lajes das Flores e Penalva do Castelo, os preços das casas aumentaram mais de 100% no último ano. Só um quinto do total de municípios portugueses viu o valor do metro quadrado baixar.

A subida dos preços das casas é generalizada por todo o país. No último ano, o valor mediano do metro quadrado vendido em Portugal aumentou em quase todos os municípios, com exceção de apenas cerca de 70 num total de mais de 340 onde o Instituto Nacional de Estatística (INE) recolheu dados sobre transações de alojamentos familiares. E há três municípios onde os preços chegaram a duplicar neste período.

Ao todo, houve apenas 73 municípios onde os preços das casas caíram entre o início do ano passado e o arranque deste. Vinhais, Vila Nova de Foz Côa e Vila de Rei, nas regiões Norte e Centro do país, são os três municípios onde os preços das casas mais caíram no último ano. Em todos estes casos, caíram mais de 30%. São também das zonas mais baratas de Portugal, ficando muito abaixo do valor mediano dos preços das casas a nível nacional, que no final do primeiro trimestre deste ano se fixou em 950 euros por metro quadrado.

A tendência foi precisamente a contrária. Em 263 municípios (o equivalente a 76% dos que foram analisados pelo INE), o preço do metro quadrado aumentou e, em muitos casos, a dois dígitos.

Em três municípios, os preços chegaram mesmo a duplicar no espaço de um ano: passaram de 172 para 353 euros por metro quadrado em Portel, Évora; de 277 para 579 euros em Lajes das Flores, Açores; e de 162 para 341 euros por metro quadrado em Penalva do Castelo, Viseu.

A tendência de subidas é comum a quase todo o país, mas os preços variam muito. Nos cinco concelhos mais baratos do país, o preço mediano do metro quadrado não chega aos 200 euros. Nos cinco mais caros, os preços chegam a ultrapassar os 2.000 euros. Feitas as contas, comprar uma casa em Lisboa, o município mais caro do país, custa quase 20 vezes mais do que em Pampilhosa da Serra, o município mais barato.

Casa em Lisboa custa 20 vezes mais do que o concelho mais barato

Preços disparam em Lisboa e Porto

Lisboa e Porto são duas das cidades onde os preços mais aumentaram no último ano. E, dentro destes dois municípios, há grandes variações em cada freguesia.

Santo António, em Lisboa, é a freguesia mais cara, com o preço mediano do metro quadrado a fixar-se em 4.083 euros no primeiro trimestre. Marvila é a mais barata da capital, com um preço mediano de 1.483 euros por metro quadrado. E os preços não param de subir na capital. No espaço de apenas três meses, entre o último trimestre do ano passado e o primeiro deste ano, o valor do metro quadrado disparou 14,5% na freguesia de Campolide, fixando-se em 2.469 euros, e 11,5% em Alvalade, para 2.957 euros.

No Porto, a tendência de subida é semelhante, ainda que os preços sejam muito inferiores. A união de freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde regista os preços mais elevados, com o valor mediano do metro quadrado a fixar-se nos 2.051 euros. Já Campanhã tem os valores mais baixos, com um preço mediano de 801 euros por metro quadrado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Há três municípios onde o preço do metro quadrado duplicou num ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião