Meo fatura 503 milhões no segundo trimestre. Dívida do grupo Altice aumenta

A Altice Europe, dona da operadora portuguesa, alcançou receitas de 3,5 mil milhões de euros no segundo trimestre do ano, uma quebra de 1,4% em relação ao trimestre anterior.

A Altice Europe, grupo que detém a operadora Meo em Portugal, viu as receitas caírem no segundo trimestre deste ano, ao mesmo tempo que aumentou a dívida líquida. Os resultados foram divulgados, esta manhã pelo grupo multinacional de telecomunicações.

O grupo registou receitas consolidadas de 3,47 mil milhões de euros no final do segundo trimestre, o que representa uma queda de 1,4% em relação às receitas que tinham sido registadas no trimestre anterior. Já em Portugal, onde a Altice controla a antiga PT Portugal, detendo a operadora Meo, as receitas consolidadas ascenderam a 503 milhões de euros, mais 1,6% do que tinha alcançado no trimestre anterior. Já comparando com o segundo trimestre do ano passado, as receitas da Altice em Portugal recuaram 5,4%.

Mesmo com a quebra das receitas, a Altice conseguiu uma subida do EBITDA (resultados antes de juros, impostos, depreciação e amortização), que se fixou em 1,315 milhões de euros, mais 4,4% do que no primeiro trimestre.

Ao mesmo tempo que as receitas caíram, a dívida da Altice aumentou, apesar de a empresa estar em processo de reestruturação, precisamente, para reduzir o elevado endividamento. No final de junho deste ano, a dívida líquida consolidada situava-se em 31.858 milhões de euros, mais 1,7% do que registava no final de março.

Apesar do agravamento dos resultados, a Altice mantém as perspetivas para o conjunto deste ano: “A Altice reitera os planos de crescimento da receita e aumento do EBITDA e margens financeiras, a médio e longo prazo”.

Face a estas informações, as ações da Altice estão a desvalorizar na bolsa de Amesterdão. Os títulos chegaram a cair cerca de 14,5%. Estão agora a desvalorizar 11,43% para 2,549 euros.

Grupo vai usar dividendos da Altice USA para abater dívida

Numa conferência telefónica com analistas, Dennis Okhuijsen, administrador financeiro da Altice Europe, explicou que a empresa tem intenções de usar os dividendos que ainda recebe do negócio nos Estados Unidos para abater dívida. Depois do spin off, a Altice Europe ainda detém 3,5% da Altice USA.

A empresa tem atualmente uma liquidez de 2,8 mil milhões de euros e 84% dos 32 mil milhões de euros de dívida tem juros fixos. Há ainda um número que o CFO da Altice Europe quis destacar aos analistas: no final do segundo trimestre de 2017, 78% da dívida vencia em 2025. Agora, só 53% da dívida é que atinge a maturidade em 2025.

Este número é particularmente relevante tendo em conta que, no final do ano passado, a empresa atravessou uma crise de confiança por parte dos investidores. A constante queda das receitas assustou os analistas, que chegaram a apontar para a insuficiente liquidez da empresa. Na altura, a dívida líquida rondava os 50 mil milhões de euros. A empresa sempre reafirmou a sua liquidez, mas viu-se obrigada a mudar a estratégia e a vender ativos.

Entre esses ativos está a venda das torres de telecomunicações em Portugal e França. Mas não só: a Altice também tencionava vender a unidade que detém na República Dominicana. Hoje, a empresa garante que esse cenário foi completamente posto de parte. E por duas razões: primeiro, porque “as ofertas não eram atrativas do ponto de vista de valor” e, depois, porque o custo-benefício de vender esse negócio não se justificava face às propostas em cima da mesa. Esta quinta-feira, aliás, a Altice salientou o bom desempenho financeiro da subsidiária.

Ainda assim, à semelhança do que aconteceu em Portugal e em França, a Altice anunciou a venda de 1.049 torres de telecomunicações na República Dominicana, por 170 milhões de euros. Esta quinta-feira, tanto o CFO como o presidente executivo, Alain Weill, mostraram-se entusiasmados com a nova empresa de infraestruturas de telecomunicações que nasceu da venda das torres na Europa. Como noticiou o ECO, as torres da Meo foram vendidas a um consórcio do qual fazem parte Pires de Lima e Sérgio Monteiro.

(Notícia atualizada às 14h30 após conferência telefónica da Altice com os analistas)

Evolução das ações da Altice na bolsa de Amesterdão

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Meo fatura 503 milhões no segundo trimestre. Dívida do grupo Altice aumenta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião