Altice consegue 2,5 mil milhões para refinanciar dívida

Dona da Meo obteve um empréstimo de 2,5 mil milhões de euros que vai ajudar o grupo a refinanciar parte da sua dívida que ia vencer em pouco tempo.

A Altice conseguiu obter um empréstimo de 2,5 mil milhões de euros, numa operação que vai ajudar o grupo de telecomunicações de Patrick Drahi a refinanciar uma parte da sua elevada dívida.

Os investidores exigiram à Altice um juro de 400 pontos base mais a taxa Libor (a taxa interbancária de Londres) para ficarem com este empréstimo realizado através de títulos de dívida maturidade a oito anos e que vai permitir à dona da Meo reembolsar uma parte da linha de obrigações da Altice France a vencer em 2020 e que paga um juro de 6%.

“Estas operação de refinanciamento vem outra vez demonstrar o compromisso da Altice de gerir ativamente as suas responsabilidades decorrentes da sua estrutura de capital, melhorando significativamente o calendário de maturidades”, sublinhou o CEO da Altice Europe, Dennis Okhuijsen.

"Estas operação de refinanciamento vem outra vez demonstrar o compromisso da Altice de gerir ativamente as suas responsabilidades decorrentes da sua estrutura de capital, melhorando significativamente o calendário de maturidades.”

Dennis Okhuijsen

CEO da Altice Europe

Segundo a Altice France, esta operação vai permitir uma extensão dos prazos de vencimento da dívida da 6,4 anos para 6,8 anos.

Este refinanciamento “reforça novamente o perfil de liquidez da Altice”, assegura ainda o mesmo responsável no comunicado divulgado esta segunda-feira.

A Altice tem vindo a implementar um plano de reestruturação da sua dívida, isto depois de em 2017 esta ter atingido os 50 mil milhões de euros. Além das operações de refinanciamento como esta, este plano de desalavancagem inclui ainda a venda de alguns ativos que o grupo entende não fazer parte do seu negócio core, um compromisso assumido por Drahi junto dos investidores.

Um dos últimos negócios da Altice passou pela venda das 3.000 torres de telecomunicações em Portugal, vendidas por 660 milhões de euros a um consórcio que junta o fundo de investimento de Pires de Lima e Sérgio Monteiro e o banco Morgan Stanley.

Em cima da mesa também poderia estar a venda da PT Portugal, conforme noticiaram em França no início do mês, mas a Altice veio desmentir essa intenção prontamente. “É uma peça fulcral”, disse fonte do grupo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice consegue 2,5 mil milhões para refinanciar dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião