Empresa britânica de blockchain abre escritório no Porto

O Porto é a primeira cidade fora do Reino Unido a ser escolhida para receber um polo da Applied Blockchain, da qual a petrolífera Shell é cliente e acionista. Vai desenvolver soluções em blockchain.

Uma empresa de soluções tecnológicas baseadas em blockchain vai abrir um escritório no Porto. A Applied Blockchain tem sede no Reino Unido e anunciou a decisão esta semana. A startup foi criada em 2015 e tem entre os acionistas a petrolífera Shell, que começou por ser cliente. Portugal torna-se o primeiro país a ser escolhido por esta empresa no âmbito de um plano de expansão que deverá abranger outros mercados na Europa.

Num comunicado, a Applied Blockchain assume estar a aceitar currículos por parte de quem tenha interesse em juntar-se à equipa. Ricardo Valente, vereador da Câmara Municipal do Porto, é citado na mesma nota e indica que a cidade está a tornar-se “um polo para empresas tecnológicas”. “A decisão da Applied Blockchain de investir na cidade é o reconhecimento do nosso talento, localização estratégica, qualidade de vida e competitividade”, diz o autarca.

A Applied Blockchain garante ter “mais de 30 startups e clientes empresariais”. Desenvolve tecnologias assentes na blockchain para os setores como o financeiro, da banca, das telecomunicações, da aviação, do automóvel e da indústria no geral. A blockchain é como um registo inviolável que permite gerar confiança sem recurso a intermediários. A tecnologia ganhou popularidade por permitir o funcionamento da moeda virtual bitcoin. No mercado têm sido apontados vários casos em que esta tecnologia permite reduzir custos e melhorar a eficiência de processos de negócio.

“A abertura do nosso novo escritório no Porto e o facto de passarmos a ter uma presença no continente Europeu é o próximo passo natural no desenvolvimento da Applied Blockchain. É indicativo da nossa ambição e compromisso de crescer”, refere no comunicado o presidente executivo da empresa, Adi Ben-Ari.

O líder da nova startup do Porto reconhece ainda o clima tecnológico e empreendedor que está a ganhar cada vez mais ritmo no país. “Embora Portugal seja uma cara relativamente nova no panorama global da tecnologia, tem-se afirmado rapidamente como um grande polo mundial”, afirma. De acordo com o Jornal de Negócios (acesso pago), que avançou a notícia, a empresa vai contar, nesta fase inicial, com 50 pessoas no novo polo no Porto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa britânica de blockchain abre escritório no Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião