Temperaturas máximas e mínimas começam a descer a partir de segunda-feira

  • Lusa
  • 5 Agosto 2018

As temperaturas máximas e mínimas vão começar a descer a partir de segunda-feira, embora nos distritos de Portalegre e Castelo Branco ainda se mantenham os avisos laranja e vermelho, segundo o IPMA.

As temperaturas máximas e mínimas vão começar a descer a partir de segunda-feira, embora nos distritos de Portalegre e Castelo Branco ainda se mantenham os avisos laranja e vermelho, segundo o IPMA.

Em declarações à agência Lusa, a meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Joana Sanches adiantou que na terça-feira está prevista uma nova descida da temperatura máxima, principalmente nas regiões do interior entre os 8 e os 10 graus.

Este será o primeiro dia sem qualquer aviso meteorológico, depois da vaga de calor.

Para hoje, um dia ainda marcado por temperaturas elevadas, há possibilidade de ocorrência de trovoadas com aviso emitido para os distritos de Portalegre, Évora, Beja e Faro existindo ainda a previsão dessas ocorrências durante a manhã de segunda-feira nas regiões do interior.

Nos últimos dias Portugal enfrentou temperaturas muito elevadas, subindo de forma acentuada a partir de 01 de agosto, o que levou o IPMA a emitir avisos vermelhos em 11 dos 18 distritos de Portugal continental.

Durante estes dias foram atingidos máximos históricos em várias estações meteorológicas, nomeadamente em Lisboa, que no sábado chegou aos 44º.

No sábado, as temperaturas estavam às 17:00 acima dos 45 graus em 16 das 96 estações de medição de Portugal continental, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A temperatura mais elevada registada até às 17:00 de sábado foi 46,8 graus em Alvega, a que se seguiram: Santarém/F. Boa (46,3°), Alcácer do Sal (46,2°), Coruche e Alvalade do Sado (46,1°), Pegões (46,0º), Neves Corvo (45,8°), Setúbal (45,5°), Évora e Tomar (45,4°), Reguengos e Amareleja (45,3°), Avis, Viana do Alentejo e Portel (45,2°) e Mora (45,1°).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Temperaturas máximas e mínimas começam a descer a partir de segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião