Rússia admite responder com todos os meios contra sanções dos EUA

  • Lusa
  • 10 Agosto 2018

"Tudo isto vai obrigar-nos a responder a esta guerra. Através de meios económicos e de meios políticos e, se for necessário, por outros meios", afirmou o primeiro-ministro russo, Dimitri Medvedev.

A Rússia considera que as eventuais novas sanções norte-americanas são uma “declaração de guerra económica” pelo que Moscovo pode vir a reagir com “todos” os meios disponíveis, disse esta sexta-feira o primeiro-ministro Dimitri Medvedev.

Os Estados Unidos anunciaram na quinta-feira novas sanções económicas contra a Rússia devido ao envenenamento do ex-espião russo, Sergei Skripal, no Reino Unido, sublinhando a possibilidade de uma “nova vaga de sanções draconianas” no futuro. “[Os Estados Unidos] continuam a referir-se à interdição das atividades deste ou daquele banco ou à utilização de certas divisas. É preciso que as coisas sejam referidas com clareza: Trata-se de uma declaração de guerra económica”, disse o primeiro-ministro russo Dmitri Medvedev citado pela agência Interfax.

Tudo isto vai obrigar-nos a responder a esta guerra. Através de meios económicos e de meios políticos e, se for necessário, por outros meios”, acrescentou Medvedev. “Os nossos amigos americanos vão ter de compreender”, sublinhou sem especificar.

Na quinta-feira, o Kremlin anunciou que a primeira lista de sanções norte-americanas que visam a exportação de produtos tecnológicos é “inadmissível e ilegal” prometendo retaliar. A segunda lista de sanções, que foi qualificada como “draconiana” por um alto responsável norte-americano, pode inclusivamente vir a impedir as companhias de aviação russas de utilizar aeroportos dos Estados Unidos assim como suspender as relações diplomáticas entre os dois países.

Na quarta-feira, o jornal russo Kommersant noticiava que o projeto de sanções dos Estados Unidos exige, nomeadamente, um inquérito à suposta fortuna pessoal do presidente russo Vladimir Putin e pode impedir a compra de dívida russa por parte de investidores norte-americanos. A mesma notícia indicava que o projeto propõe igualmente sanções contra os grandes bancos públicos russos como o Sberbank, VTB e Gazprombank e às empresas do setor dos hidrocarbonetos, essencial para a economia da Rússia.

O país ficou submetido a uma série de sanções ocidentais desde a invasão da Crimeia, em 2014 e que contribuíram para a subida do preço dos hidrocarbonetos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rússia admite responder com todos os meios contra sanções dos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião