Turistas deixam quase 7 mil milhões em Portugal no primeiro semestre

As receitas turísticas estão a crescer a dois dígitos, apesar de o aumento do número de hóspedes e de turistas estar a abrandar, ou mesmo a estagnar.

As receitas da atividade turística em Portugal totalizaram perto de 7 mil milhões de euros no primeiro semestre do ano, um aumento de quase 14% em relação ao mesmo período do ano passado. É o reflexo do aumento dos preços praticados pelo turismo em Portugal, tendo em conta os sinais de abrandamento — e mesmo de estagnação, em alguns casos — do crescimento de outros indicadores do setor.

Ao todo, segundo os dados publicados esta terça-feira pelo Banco de Portugal, os turistas gastaram 6,9 mil milhões de euros no conjunto de janeiro a junho deste ano, mais 13,88% do que no primeiro semestre do ano passado. Maio foi o melhor mês deste período, com um total de 1,59 mil milhões de euros em receitas turísticas. Em junho, as receitas caíram ligeiramente, para 1,43 mil milhões de euros.

Estes números mostram que, durante o primeiro semestre, os turistas gastaram em Portugal uma média de pouco mais de 38 milhões de euros por dia. Já os portugueses gastaram um total de 2,26 mil milhões de euros lá fora, o que representa um aumento de 7,44% face ao primeiro semestre do ano passado.

Feitas as contas, o saldo da balança turística fixou-se em 4,63 mil milhões de euros, mais 17% do que há um ano.

Este movimento acontece apesar de o ritmo de crescimento do número de hóspedes e de dormidas ser muito mais ligeiro. No primeiro semestre deste ano, os estabelecimentos hoteleiros nacionais receberam 9,6 milhões de hóspedes, uma subida homóloga de 2,6%, que foram responsáveis por 25,3 milhões de dormidas, um aumento de apenas 0,5% em relação aos primeiros seis meses do ano passado.

Significa isto que os operadores do setor turístico estão não só a faturar mais, como estão a faturar mais em meses que são, tradicionalmente, de época baixa. Neste primeiro semestre, março e maio foram os meses que registaram as maiores subidas homólogas das receitas, em ambos os casos de cerca de 20%.

Isso mesmo destaca a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho. “Estes números mostram que o turismo continua a crescer ao longo de todo o ano, e particularmente que estamos a conseguir crescer ar um ritmo muito superior em termos de receitas, o que demonstra que estamos a crescer em valor, conseguindo atrair turistas que gastam mais”, referiu, em comunicado enviado às redações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turistas deixam quase 7 mil milhões em Portugal no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião