Cinco maiores bancos acumulam lucros de 743 milhões até junho. Novo Banco borrou a pintura

Sem os prejuízos do Novo Banco, os maiores bancos teriam mesmo superado os valores de 2010. CGD, BCP, BPI e Santander Totta alcançaram um lucro conjunto próximo de mil milhões no primeiro semestre.

Estão fechadas as contas do primeiro semestre dos cinco maiores bancos com atividade em Portugal. Os resultados negativos do Novo Banco não foram suficientes para prejudicar as contas globais e, nos seis primeiros meses do ano, os maiores bancos acumularam lucros de 743 milhões de euros, o melhor resultado semestral dos últimos oito anos.

A época de resultados arrancou com o BPI, que reportou lucros de 366,1 milhões de euros, uma melhoria que ficou a dever-se à venda de ativos e à atividade em Portugal. Seguiu-se o BCP, que alcançou lucros de 150,6 milhões, resultado para o qual contribuiu também a atividade em Portugal. Já a Caixa Geral de Depósitos (CGD) conseguiu um resultado líquido de 194,1 milhões, graças à quebra significativa das provisões e imparidades, enquanto o Santander Totta viu os lucros aumentarem para 263,6 milhões, reflexo do “crescimento orgânico e da integração do ex-banco Popular Portugal”.

O Novo Banco fechou o leque esta quinta-feira e foi o único a manchar as contas, ao reportar prejuízos de 231,2 milhões de euros no primeiro semestre, penalizado por vários fatores, entre os quais uma operação de compra e troca de obrigações.

Sem estes prejuízos, os maiores bancos teriam mesmo superado os resultados de 2010, ano em que, ainda com o Banco Espírito Santo (BES) em atividade e a registar resultados positivos, estes cinco bancos alcançavam lucros de 897 milhões. Juntos, o BCP, a CGD, o BPI e o Santander Totta obtiveram um lucro conjunto de 974 milhões no primeiro semestre. Incluindo o Novo Banco, os lucros caem para 743,1 milhões.

Feitas as contas, os cinco maiores bancos obtiveram, durante o primeiro semestre, uma média de 123,8 milhões de euros de lucros por mês, ou de 4,1 milhões de euros por dia.

Bancos têm melhores resultados desde 2010

Valores em milhões de euros. Infografia: Ana Raquel Moreira / ECO

Comissões sobem 5%

A par dos lucros, também as comissões cobradas pelos bancos estão a aumentar. No acumulado de janeiro a junho, os rendimentos com serviços e comissões dos cinco maiores bancos ascenderam a 1.082 milhões de euros, o que representa um aumento de 5,38% face ao que tinham registado no primeiro semestre do ano passado.

Significa isto que, em média, os bancos faturam 180 milhões de euros por mês ou 6 milhões por dia através de comissões.

Apesar deste aumento em relação ao ano passado, os rendimentos com comissões continuam a estar abaixo dos níveis que eram registados nos anos anteriores. Em 2010, as receitas semestrais com as comissões ultrapassavam os 1.500 milhões, um montante que começou a cair sucessivamente a partir de 2013 e que só agora voltou a aumentar.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cinco maiores bancos acumulam lucros de 743 milhões até junho. Novo Banco borrou a pintura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião