Depois de 12 temporadas, “A Teoria do Big Bang” chega ao fim em 2019

A 12.ª temporada da famosa comédia americana tem estreia marcada para o próximo mês, dia 24. Esta será a última temporada da série, que termina em maio de 2019.

A famosa série da CBS, “A Teoria do Big Bang”, vai finalmente chegar ao fim, em 2019, de acordo com o anúncio feito pelo produtor executivo da série, Chuck Lorre, e pelos estúdios Warner Bros.

“A Teoria do Big Bang” termina, assim, à 12.ª temporada, que tem estreia marcada para o próximo mês, dia 24 de setembro. Esta temporada acaba depois no mês de maio de 2019, sendo também o fim da série americana.

“Estamos eternamente gratos aos nossos fãs o apoio à ‘The Big Bang Theory’ [nome original] durante as 12 últimas temporadas”, pode ler-se no comunicado feito no Facebook oficial da série. “Nós, juntamente com o elenco, guinoistas e equipa, estamos extremamente agradecidos pelo sucesso da série e pelo objetivo de oferecer uma temporada final, e o final da série, que trará a ‘The Big Bang Theory’ para um final criativo épico”, escrevem. A nota, acompanhada de uma fotografia, foi assinada pela Warner Bros, CBS e Chuck Lorre Produções.

Ao longo dos 279 episódios produzidos, a comédia televisiva que estreou em 2007 recebeu 52 indicações ao prémio Emmy e, dessas mesmas, acabou por vencer 10. O ator Jim Parsons, que interpreta o famoso Sheldon Cooper, já recebeu quatro Emmys de melhor ator de comédia pelo seu desempenho na série. Entre o público, a série foi bastante bem recebida, sendo, durante a emissão da quarta temporada, a comédia com maior audiência na televisão.

Nos Estados Unidos da América, cerca de 14 milhões de espetadores veem regularmente cada episódio de que sai de “A Teoria do Big Bang”. Mas, às suas audiências regulares devem acrescentar-se os espetadores que recorrem à pirataria, que fazem desta série uma das mais descarregadas ilicitamente online.

Apesar dos números, durante o ano passado, a comédia sobre o grupo de intelectuais amantes da ficção científica registou uma quebra nas audiências. Ainda assim, o anúncio do término na série não deixa de ser um pouco surpreendente, principalmente quando confrontado com as declarações da presidente da CBS Entertainment, Kelly Kahl, no passado mês de maio.

Na altura, a presidente do canal norte-americano dizia que ainda havia muito mais por vir. “Enquanto Chuck e sua equipa tiverem histórias para contar, nós continuaremos o show o tempo que quiserem”, afirmou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de 12 temporadas, “A Teoria do Big Bang” chega ao fim em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião