Guerra dos Tronos bate um último recorde. É a mais pirateada

  • Lusa
  • 29 Dezembro 2017

“A Guerra dos Tronos” é a mais pirateada pelo sexto ano consecutivo. Está também em primeiro na lista das mais partilhadas -- saiba quais as que se seguem.

A série televisiva “A Guerra dos Tronos” voltou a ser, pelo sexto ano consecutivo, o programa televisivo mais pirateado a nível mundial através de ‘torrents’, segundo uma compilação feita pela página especializada Torrentfreak.

De acordo com uma publicação daquele site, “apesar de não ter havido um novo recorde de descargas, a nível de tráfego o interesse foi muito”, tendo alcançado um pico de 400 mil partilhas em simultâneo depois de o final da sétima temporada ter sido colocado na Internet.

Os autores da análise alertam contra leituras sobre um crescimento ou diminuição da pirataria digital a partir destes números, uma vez que os ‘torrents’ (que permitem a descarga de algo através da ligação partilhada por vários utilizadores) são apenas uma parte dessa realidade, salientando a propagação de páginas que permitem o ‘streaming’ (visionamento de um determinado programa sem necessidade de o descarregar) de forma ilegal.

Ainda assim, de acordo com a lista das dez séries mais partilhadas através daquele sistema, depois de “A Guerra dos Tronos” (exibida em Portugal no canal Syfy), as mais partilhadas foram “Walking Dead”, “The Flash”, “A Teoria do Big Bang”, “Rick and Morty”, “Prison Break”, “Sherlock”, “Vikings”, “Suits” e “Arrow”.

A sétima temporada de “A Guerra dos Tronos”, transmitida este ano, foi atingida por vários problemas, entre os quais um ataque informático à HBO, que levou a que argumentos da saga fossem colocados ‘online’ antes da exibição dos episódios.

A oitava – e última – temporada da série, que tem por base os livros de George R. R. Martin, vai estar em filmagens até ao próximo verão, tendo 2019 como provável data de exibição dos seis episódios já anunciados, de acordo com entrevistas de vários atores do elenco publicadas nos últimos meses.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra dos Tronos bate um último recorde. É a mais pirateada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião