Acordo com México anima Wall Street. Bolsas renovam máximos

Com o acordo entre os EUA e o México, as cotadas do setor automóvel e financeiro foram as mais beneficiadas, ajudando os índices a tocarem recordes. A Tesla contrariou a tendência.

As bolsas norte-americanas fecharam a primeira sessão da semana em alta, depois de os Estados Unidos e o México terem anunciado que as negociações foram bem-sucedidas e que irão substituir o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, na sigla em inglês) por um novo acordo. Os principais índices acionistas de Wall Street tocaram novos máximos históricos.

O S&P 500 valorizou 0,77%, para os 2.896,74 pontos, um novo recorde para o índice acionista de referência em Nova Iorque. O Nasdaq também tocou novos máximos, ao ultrapassar a fasquia dos 8 mil pontos. O índice tecnológico subiu 0,91%, para os 8.017,90 pontos. Já o industrial Dow Jones avançou 1,01%, para os 26.049,64 pontos.

Os investidores estiveram animados com as notícias resultantes das negociações entre os Estados Unidos e o México. Os dois países anunciaram que decidiram substituir o antigo NAFTA por um novo acordo e esperam agora que o Canadá se junte às negociações.

Com este anúncio, as cotadas do setor automóvel e financeiro foram as mais beneficiadas e registaram os melhores desempenhos em bolsa. No entanto, não todas.

Do lado das quedas, destaque para a Tesla que recuou 1,6% para os 317,68 dólares, depois de durante o fim de semana Elon Musk ter voltado atrás com a ideia de retirar a empresa de bolsa. Musk garantiu que a fabricante de automóveis elétricos vai manter-se no mercado após consultar os seus acionistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acordo com México anima Wall Street. Bolsas renovam máximos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião