EUA e México chegaram a acordo. NAFTA desaparece.

  • ECO
  • 27 Agosto 2018

Donald Trump já tinha avisado que as relações entre os EUA e o México estavam mais próximas. Agora, confirma-se. Mas ainda falta o Canadá.

Os Estados Unidos da América (EUA) e o México chegaram a acordo para substituir o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, na sigla inglesa). Os dois países optaram por deixar cair a anterior designação “NAFTA” e aguardam agora que o Canadá se possa juntar às negociações, avança a Reuters.

As negociações com o México para a renegociação da NAFTA começaram há cerca de um ano, isto depois de Trump ter classificado o acordo como um dos piores acordos comerciais da história. A renegociação do acordo foi mesmo uma das suas principais promessas durante a campanha eleitoral. À Bloomberg, o próprio Donald Trump adianta que “é um grande dia para o comércio”.

Apesar do México e Estados Unidos terem chegado a acordo, falta ainda o sinal verde do Canadá. “Ainda há problemas com o Canadá, mas esperemos que possam ficar resolvidos rapidamente”, adiantam fontes próximas ao processo à Reuters.

Trump, citado pela Bloomberg, diz que falará com o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau “daqui a pouco”, esperando começar as negociações de imediato.

Mas uma porta-voz da ministra dos Negócios Externos do Canadá, Chrytia Freeland, já veio baixar as expectativas relembrado que a “assinatura do Canadá é necessária”.

“Vamos apenas assinar um novo NAFTA que seja bom para o Canadá e bom para a classe média” e “continuaremos a trabalhar em prol de um NAFTA modernizado”, adianta.

Já o presidente mexicano, Enrique Nieto escreveu um tweet dando conta de que, esta segunda-feira, falou com Trudeau realçando a importância de o Canadá voltar às negociações do NAFTA.

A pressão de Trump para concluir as negociações à volta do NAFTA surgem, na mesma altura, em que está ao rubro a guerra comercial com a China, e com a ameaça do presidente americana de impor tarifas sobre os carros importados da Europa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA e México chegaram a acordo. NAFTA desaparece.

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião