Quanto ganha um tripulante de cabine na Ryanair, na TAP e na Emirates?

Um tripulante de cabine recebe entre 1.500 a 2.115 euros limpos por mês. Os valores variam, contudo, consoante o número de voos e de dias em que se trabalha. A Emirates é a companhia que paga melhor.

Há muitos anos, trabalhar numa companhia aérea era sinal de um certo status e era um sonho para muitos portugueses. A atração de viajar podia justificar o entusiasmo que acompanhava esta profissão. Hoje a profissão de tripulante de cabine perdeu algum do encanto de então, mas continua a atrair muitos jovens.

E se, na altura, em Portugal, apenas existia a TAP, companhia bandeira, hoje proliferam as low-cost, o que implica às companhias um esforço maior na hora de recrutar ainda que, na verdade, a resposta seja sempre considerável.

O que atrai os trabalhadores, muitos deles licenciados em áreas completamente diferentes, para esta profissão? O ordenado é uma das premissas base. Entre as três empresas contactadas — Ryanair, TAP e Emirates –, a última é a que atrai mais os jovens lusos. Um salário livre de impostos e casa garantida no Dubai são dois dos grandes fatores de atração.

Na TAP, apesar de a companhia não ter respondido oficialmente à questão, foi possível constatar que o salário dos tripulantes de cabine pode facilmente variar entre o 1.500 e os 2.000 euros limpos. Neste valor estão incluídas as ajudas de custo.

Segundo alguns colaboradores da companhia aérea, os salários dos membros da cabine têm uma parte fixa e uma parte variável. Em início de carreira, o indexante base é o salário mínimo nacional, a que se soma a parte variável — consoante o número de dias que se trabalha e o número de voos efetuados.

“De uma forma geral, é muito fácil atingir perto dos dois mil euros limpos por mês”, refere um desses colaboradores, ao ECO. O mesmo colaborador faz questão de referir que uma das regalias da empresa passa por oferecer a cada um dos funcionários um dos melhores seguros de saúde para o setor.

No caso da Emirates, uma das empresas de aviação mais cobiçadas para se trabalhar atualmente, o salário limpo é de 2.115 euros por mês. A companhia aérea adianta, em declarações ao ECO, que “um tripulante de cabine recebe um salário médio mensal que ronda os 2.115 euros, sem impostos”. De resto, a Emirates relembra ainda que cada funcionário tem direito a “30 dias de férias por ano, subsídio de refeição, atribuído na moeda do país onde se faz escala, hotel e transporte para o aeroporto, uniformes (limpeza a seco incluída) e casa mobilada à escolha no Dubai.

Já a irlandesa Ryanair assegura que o salário que um tripulante de cabine da empresa pode auferir chega até aos “40 mil euros por ano”. Apesar de a empresa não justificar, este valor é bruto, o que dará mais ou menos, 1.750 euros por mês, feitos os respetivos descontos para o IRS e para a Segurança Social.

A empresa refere que se pode atingir este salário, “trabalhando um horário fixo de cinco dias, seguido de três dias de folga, o que equivale a um fim de semana prolongado todas as semanas”.

Quanto custa produzir uma bola de Berlim? Os portugueses bebem muita cerveja? Quanto ganha um motorista da Uber? E um presidente de junta? A quem é que Portugal deve mais dinheiro? 31 dias e 31 perguntas. Durante o verão, o ECO preparou a “Sabia que…”, uma rubrica diária para dar 31 respostas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto ganha um tripulante de cabine na Ryanair, na TAP e na Emirates?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião