Proposta que torna possível casar logo a seguir a um divórcio não consegue maioria no Parlamento

  • ECO
  • 30 Agosto 2018

Socialistas, bloquistas e o deputado único do PAN não fazem a maioria. PCP e CDS são contra a medida. Já o PSD, ainda que não seja especialmente adepto da proposta, admite que pode ponderar a decisão.

Há mais de um ano que o PS, o Bloco de Esquerda e o PAN trabalham em conjunto num texto que pretende acabar com o prazo internupcial, permitindo assim um novo casamento logo após o divórcio. No entanto, o projeto está parado desde aí e, se a proposta fosse a votos tal como está, arriscava-se a chumbar, avança esta quinta-feira o Diário de Notícias (acesso livre).

Socialistas, bloquistas e o deputado único do PAN não fazem a maioria, uma vez que o PCP é contra e, do lado da bancada direita, CDS também não concorda com a alteração. O PSD, ainda que não seja especialmente adepto da medida, admite que pode ponderar caso a proposta seja “melhorada”.

Atualmente o que a lei diz é que, após um divórcio ou em caso de viuvez, os homens só podem voltar a casar-se 180 dias depois e as mulheres 300 dias depois, a não ser que apresentem um atestado médico em como não estão grávidas e, assim, o período baixa também para os 180 dias. Estes prazos contam do Código Civil desde 1966 e foi uma limitação imposta em nome da presunção de paternidade. Desta forma, o prazo internupcial visa afastar dúvidas quanto à paternidade de um filho nascido após a dissolução do casamento.

O Partido Comunista Português (PCP) não vê com bons olhos esta alteração, “estas iniciativas não terão a nossa aprovação”, disse o deputado António Filipe, durante a discussão parlamentar dos projetos. “Haverá alguma vantagem em acabar com a presunção [de paternidade]? Nós não estamos a ver qual seja. Não vemos vantagem nenhuma em obrigar uma mãe casada a ter de declarar quem é o pai do seu filho quando isso hoje está resolvido com uma presunção legal”, explicou o deputado.

Na bancada da direita, tanto PSD como CDS também não são particularmente adeptos da medida. No entanto, os sociais-democratas deixaram uma esperança ao afirmar que poderiam reconsiderar a sua decisão desde que a proposta fosse melhorada.

As novas negociações em torno do texto acontecem na próxima sessão legislativa, que se inicia em meados de setembro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Proposta que torna possível casar logo a seguir a um divórcio não consegue maioria no Parlamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião