Rio: Governo tem de “arcar com a responsabilidade” após expectativas criadas a professores

  • Lusa
  • 8 Setembro 2018

As negociações entre os professores e o Governo falharam. Rui Rio diz que "era quase evidente que não ia haver acordo" e sublinha que Governo tem de "arcar com responsabilidades".

O líder do PSD, Rui Rio, afirmou, este sábado, que o Governo tem de dar uma resposta e “arcar com a responsabilidade” de ter criado expectativas aos professores no sentido da contagem de todo o tempo de carreira.

O Governo anunciou na sexta-feira que vai avançar unilateralmente com a sua proposta de contagem de tempo de serviço congelado aos professores, devolvendo em janeiro de 2019 apenas dois anos, nove meses e 18 dias, dos mais de nove anos reivindicados pelos sindicatos.

“Era quase evidente que não ia haver acordo, dada a posição dos sindicatos e do Governo e a margem que o Governo tem não dá possibilidade de conciliar. Aí, é o Governo que tem de dar uma resposta. Não sou eu, nem é o sindicato que tem de dar uma resposta”, disse Rui Rio em Castanheira de Pêra, no distrito de Leiria.

Para o presidente do PSD, “se foram criadas expectativas aos professores para se contar todo o tempo de carreira, agora [o Governo] tem de arcar com a responsabilidade de o ter feito“.

“Há um discurso político que nos empurra para uma dada situação. Se o discurso político é de uma economia saudável, é de estarmos praticamente no país das maravilhas e que os professores têm toda a razão, então de que é que se está à espera se não dar a razão aos professores, porque há folga? Mas, agora – no momento de dar -, já não há folga”, criticou.

Rui Rio falava aos jornalistas na Praia das Rocas, em Castanheira de Pêra, um dos concelhos mais afetados pelo incêndio de Pedrógão Grande, em junho de 2017.

Sobre as suspeitas de irregularidades na reconstrução de casas afetadas pelo fogo, o líder social-democrata salientou que é necessária uma “ação célere da justiça e do Ministério Público”, para que “rapidamente fique clarificado e emendado, na medida do possível”.

Questionado se o Governo falhou no acompanhamento dos processos de reconstrução, Rui Rio disse que seria “fácil dizer que o Governo podia estar mais atento”.

“Mas, dada a dimensão do que estamos a falar à escala local, do ponto de vista humano, ultrapassa tudo. Temos de apurar as responsabilidades. Conseguir atacar muito o Governo não é isso que me preocupa. Preocupam-me as pessoas. Não é justo, não é correto, tem de ser emendado”, vincou.

Já sobre a possibilidade da recondução do Chefe de Estado-Maior do Exército, Rui Rio adota a mesma postura que assumiu com a eventual recondução da procuradora-geral da República.

“Esses cargos não devem ser partidarizados”, salientou, considerando que os políticos não devem ter sentido de Estado apenas quando estão em lugares públicos.

O líder da oposição, frisou, “tem de ter sentido de Estado porque quer ser primeiro-ministro. Se quer ser primeiro-ministro, tem de mostrar sentido de responsabilidade e não andar aqui numa cacofonia completa”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio: Governo tem de “arcar com a responsabilidade” após expectativas criadas a professores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião