Caldeira Cabral: Portugal tem “um grande potencial mineiro” por aproveitar

  • Lusa
  • 9 Setembro 2018

O ministro da Economia considera que Portugal tem "um grande potencial mineiro" que ainda não está a ser aproveitado. Caldeira Cabral avança que o Governo quer avançar com projetos neste setor.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse este sábado, em Gouveia, que o país tem “um grande potencial mineiro” por aproveitar e o Governo pretende que os projetos nesse sentido avancem com o apoio das populações.

“Portugal tem um grande potencial mineiro ainda por aproveitar. Está a ter projetos mineiros e a despertar um interesse grande, outra vez, nas minas e nos recursos geológicos do país“, disse o governante no final de uma visita à antiga área mineira de Castelejo, em Gouveia, que foi reabilitada ambientalmente através da Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM).

Manuel Caldeira Cabral disse que o Governo pretende “que esses projetos avancem, mas avancem também com o apoio das populações”.

“Porque a mensagem clara que queremos deixar às populações é que o processo será levado até ao fim. O processo de exploração mineira, que cria emprego, que cria riqueza, que cria desenvolvimento, mas depois, também, quando se chega ao fim da vida de uma mina, no encerrar desse projeto, resolvendo os passivos ambientais” e garantindo que “isso faz parte de todo o projeto mineiro e os projetos têm de englobar também isso”, justificou.

O ministro adiantou que na reabilitação das antigas minas são utilizadas “algumas das ‘royalties’ que as próprias minas que estão em funcionamento pagam”, alavancando esses recursos “com os fundos estruturais”, o que permite “acelerar muito estes projetos”.

“De facto, nós estamos a conseguir fazer em dois anos e meio quase tanto como se fez nos últimos dez anos, em termos de recuperação de passivos ambientais nas minas”, disse o ministro da Economia.

Segundo Manuel Caldeira Cabral, o Governo pretende, no decorrer da atual legislatura “ainda acelerar mais” o processo, sendo que neste momento “estão já 40 milhões lançados em obras de melhoramento ambiental” no país.

“Continuamos a estudar os outros problemas que ainda existem para, progressivamente, resolver todos estes passivos ambientais”, anunciou.

O ministro referiu, ainda, que em cada um dos espaços recuperados haverá uma utilização diferente, com o envolvimento das autarquias e dos agentes locais.

No caso de Gouveia, o presidente da Câmara Municipal, Luís Tadeu, disse que a autarquia tenciona equacionar várias utilizações para o antigo espaço mineiro de Castelejo, nas áreas culturais, desportivas e de lazer.

Adiantou que as autarquias de Gouveia, Fornos de Algodres, Mangualde e Nelas tencionam criar uma “rede” das antigas explorações mineiras para atrair “mais turistas” para os territórios.

“Está tudo em aberto e, agora, tudo é possível, fruto desta intervenção”, rematou Luís Tadeu.

O ministro da Economia visitou hoje as obras de reabilitação ambiental da antiga área mineira de Castelejo, em Gouveia, e da Quinta do Bispo, no município de Mangualde, distrito de Viseu, onde foi lançada a primeira fase das obras de recuperação.

Os dois projetos representam um investimento total de 7,7 milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caldeira Cabral: Portugal tem “um grande potencial mineiro” por aproveitar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião