Startup Jerusalém: uma das cidades mais antigas anda à procura das ideias mais disruptivas

A cidade recebe, pelo segundo ano, a competição Startup Jerusalém. A concurso vão estar startups de 20 países do mundo, Portugal incluído.

Jerusalém vai voltar a receber, pelo segundo ano consecutivo, a Startup Jerusalém, uma competição de startups que tem como objetivo distinguir o que de melhor se faz nas áreas de tecnologia aplicada à saúde, biomedicina e ciências da vida.

A competição é resultado do desenvolvimento do ecossistema de inovação na cidade e, a partir de hoje, tem as candidaturas abertas para startups baseadas em Portugal que queiram participar no concurso.

“A primeira vantagem de participação será enquanto experiência para as empresas. No processo, aprende-se muito sobre as próprias startups e como é que o negócio pode ser representado neste tipo de concursos. Para os vencedores, pode mudar a vida. No programa organizado em Israel poderão ter interações com outros novos empreendedores e investidores num ambiente completamente novo. Durante a semana, poderão conhecer players não apenas de Israel mas de todo o mundo, e terão acesso a cobertura de media internacionais”, explica Raslan Abu Rukun, conselheiro da Embaixada de Israel, sobre a iniciativa.

De acordo com a Made in JLM, uma organização sem fins lucrativos fundada em 2012 e que tem como objetivo transformar e posicionar Jerusalém no top das 20 cidades mais inovadoras do mundo, nos últimos cinco anos Jerusalém registou um crescimento de cinco vezes mais financiamento — cerca de 800 milhões de dólares — em cerca de 160 startups. Ao mesmo tempo, a cidade, que há cinco anos contava cerca de 12 meetups relacionados com tecnologia e negócios, agora conta com uma agenda de mais de 400 por ano.

Startup Jerusalém decorre entre 11 e 17 de novembro, na cidade israelita.D.R.

A organização, que em Portugal conta com o apoio da Embaixada de Israel, anda à procura de startups portuguesas com base tecnológica e cujo impacto social seja nas áreas da saúde, biomedicina e ciências da vida: saúde digital, tecnologia de cuidados de saúde, MedTech e tecnologia de assistência. “É importante enfatizar a importância das empresas com potencial de crescimento internacional e sobre o impacto no mundo, e talvez a influência das relações bilaterais entre Israel e Portugal, sobretudo no campo dos negócios”, explica a organização, ao ECO.

As candidaturas decorrem até 15 de outubro e o evento de pitch está marcado para dez dias depois, a 25 de outubro. O programa decorre entre 11 e 17 de novembro, numa das aceleradoras da cidade.

As candidaturas estão abertas para CEO ou cofundadores de startups que se encontrem em fases de early stage, pre-seed ou seed e que tenham já um produto e modelo de negócio estabelecido. Os candidatos deverão ter entre 24 e 35 anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup Jerusalém: uma das cidades mais antigas anda à procura das ideias mais disruptivas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião