VdA e PLMJ assessoram a criação da OMTEL

A OMTEL é a primeira empresa independente de torres de telecomunicações em Portugal. Contou com a assessoria jurídica da VdA, do lado do vendedor, e da PLMJ, do lado do comprador.

A PLMJ e a VdA estiveram nos bastidores da venda da OMTEL, a primeira empresa independente de telecomunicações em Portugal, pelo valor de 660 milhões de euros. A VdA representou o vendedor: a Altice, PT e MEO, ao passo que a PLMJ assessorou o comprador — um consórcio constituído pela Morgan Stanley Infrastruture Partners e a Horizon Equity Partners.

Considerada um dos Top Deals of the Quarter do Transactional Track Record (TTR), relativo ao segundo trimestre de 2018, esta operação contou ainda com a intervenção das sociedades de advogados Franklin (de França), pelo vendedor, e da Linklaters (do Reino Unido), pelo comprador.

A JP Morgan e a Lazard foram os assessores financeiros da Altice nesta venda, sendo que o consórcio comprador foi assessorado pela Perella Weinberg Partners. A operação contou também com o envolvimento de um sindicato de financiadores e seus assessores.

Nesta operação, a equipa da VdA foi liderada pelos sócios Jorge Bleck (de fusões e aquisições), Margarida Couto e Fernando Resina da Silva (de telecomunicações). Já a coordenação executiva esteve a cargo dos associados coordenadores Maria Cunha Matos (fusões e aquisições) e Tiago Bessa (TMT), à frente de uma equipa que contou com mais de 16 advogados de várias áreas de prática desta sociedade, nomeadamente: laboral, imobiliário, concorrência, fiscal e bancário e financeiro.

Por parte da PLMJ a equipa que trabalhou na operação foi coordenada por Diogo Perestrelo, sócio de corporate e fusões e aquisições. Esta equipa integrou ainda cinco sócios — Tiago Castro, André Figueiredo, Miguel Reis, João Velez de Lima e Sara Estima Martins — e cerca de dez advogados — Nuno Marques, Jorge Silva Martins, Elsa Pardal, Sofia Coutinho, Rita Themido, Sofia Nogueira Leite, Pedro Rosa, Hugo Nunes e Sá e Luís Miguel Vasconcelos. Entre as várias áreas de prática envolvidas destacam-se as de societário, imobiliário, telecomunicações, financeiro, concorrência, laboral e fiscal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

VdA e PLMJ assessoram a criação da OMTEL

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião