PLMJ, MLGTS e VdA nomeadas nos FT Innovative Lawyers Awards em duas categorias

A PLMJ, MLGTS e VdA integram a lista de sociedades de advogados internacionais selecionadas pelo Financial Times para os prémios FT Innovative Lawyers Awards, a decorrer em Londres a 4 de outubro.

A PLMJ Advogados,a MLGTS e VdA integram a lista de sociedades de advogados internacionais selecionadas pelo Financial Times para os prémios FT Innovative Lawyers Awards, a decorrer em Londres a 4 de outubro, no Museu de História Natural, como habitualmente.

Concorrendo em duas categorias distintas, a PLMJ poderá trazer para casa o galardão de sociedade de advogados mais inovadora da Europa, e ainda, do projeto mais inovador na área de Innovation in the Business of Law: o escritório concorre com o serviço Compliance Package – lançado este ano. Um serviço que entrega aos clientes “um pacote de mais valias que vão desde o diagnóstico inicial e posterior análise, elaboração e implementação de políticas de prevenção de risco e compliance por forma a apoiar os clientes numa adaptação célere à mais recente legislação de combate ao branqueamento de capitais, que entrou em vigor em setembro de 2017”, segundo comunicado do escritório.

Para Luís Pais Antunes, managing partner de PLMJ, “estar na shortlist dos FT Innovative Lawyers Awards é para PLMJ muito importante, não só pelo reconhecimento, mas sobretudo pela motivação acrescida que nos traz no planeamento e execução dos vários projetos que temos em curso para garantir que nos mantemos pioneiros, ágeis e disruptivos na prestação de serviços jurídicos num mundo cada vez mais competitivo”.

O sócio do escritório adianta que os desafios à reinvenção do setor da advocacia “são enormes” e que “a ambição da PLMJ é clara: queremos ser um player relevante e desafiador no contexto da transformação da prestação de serviços jurídicos e da digitalização da economia, pelo que continuaremos o investimento que temos feito em tecnologia e nos seus processos de inovação”, remata.

A Vieira de Almeida é outra concorrente portuguesa a firma mais inovadora da Europa, sendo a sexta vez consecutiva que recebe esta nomeação e pela qual já levou o prémio três vezes.

Também já arrebatou o prémio na categoria de “Game Changer”, cujo critério de atribuição pondera, de 10 em 10 anos, a firma que mais se evidencia na Europa Continental pelo seu contributo para a evolução do setor da advocacia empresarial.

Os FT Innovative Lawyers Awards são uma iniciativa do Financial Times, em colaboração com a RSG Consulting. Mais do que receitas, números de clientes ou operações, estes prémios valorizam a disrupção, criatividade e impacto positivo que os advogados conseguem ter no negócio dos clientes e na sociedade em geral.

No dia seguinte à cerimonia de prémios será também publicado no FT, a 12ª edição do FT Innovative Lawyers Report, ranking do setor jurídico na Europa que representa uma análise ao setor, avaliando o poder de inovação dos advogados para com os clientes mas, também, na gestão das suas próprias operações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PLMJ, MLGTS e VdA nomeadas nos FT Innovative Lawyers Awards em duas categorias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião