S&P abre a porta à subida do rating. Outlook passa a positivo

O rating não mexeu. Mas a agência de notação financeira norte-americana dá razões para Mário Centeno sorrir. Elevou a perspetiva para positiva, deixando a porta aberta a uma melhoria da notação.

A Standard & Poor’s não mexeu no rating de “BBB-“. Mas está preparada para o fazer, elevando-o novamente. É que a agência de notação financeira elevou a perspetiva de “estável” para “positiva”, abrindo a porta a uma melhoria da notação nas próximas atualizações que vier a fazer à dívida de Portugal.

Depois de há um ano ter surpreendido com uma subida de rating antes de colocar a perspetiva em “positiva” — decisão que tende a anteceder uma revisão em alta da classificação atribuída –, retirando Portugal do nível de “lixo”, a agência volta a demonstrar a sua visão mais positiva sobre o país com esta mudança no outlook.

A S&P diz que esta decisão de melhorar a perspetiva do rating com a possibilidade de se continuar a observar a desalavancagem da economia portuguesa, ao mesmo tempo que a estabilidade financeira mostre melhorias. E, diz a agência, há margem para que isso aconteça.

"[A S&P vai continuar a] monitorizar os custos de financiamento e o ainda elevado nível de malparado no sistema financeiro.”

Standard & Poor's

“Podemos rever em alta o nosso rating caso a economia portuguesa continue a desalavancagem ao ritmo de 3% a 5% do PIB ao ano, um processo que pode reduzir o ainda elevado stock da dívida externa” de Portugal, diz a S&P.

“Também consideraremos a revisão da notação se as condições de financiamento de Portugal convergirem com a média da Zona Euro, melhorando o mecanismo de transmissão da política monetária do Banco Central Europeu”, diz, acrescentando que continuar a “monitorizar os custos de financiamento e o ainda elevado nível de malparado no sistema financeiro“.

O Governo diz que “esta atualização reflete a confiança na sustentabilidade dos progressos registados na evolução da economia portuguesa e na gestão das contas públicas, com destaque para as projeções de um crescimento económico robusto, a diminuição da dívida externa, o dinamismo do setor exportador e a solidez do processo de consolidação orçamental”.

Centeno promete “orçamento equilibrado no próximo ano”

“Este desenvolvimento é o resultado das nossas políticas orientadas para reforçar a confiança dos agentes económicos, estabilizar o sistema financeiro e equilibrar as contas públicas, através do aumento continuado da qualidade da despesa pública”, nota Mário Centeno, ministro das Finanças, em comunicado.

Ao mesmo tempo que se congratula com a decisão, deixa promessas. “O Governo tenciona alcançar um orçamento equilibrado no próximo ano e manter a trajetória descendente do peso da dívida pública no PIB, por forma a reforçar a resiliência das contas públicas e da economia portuguesa”, diz.

“A decisão da S&P traduz o compromisso do Governo de prosseguir uma gestão criteriosa das contas públicas e de continuar a promover um crescimento económico sustentável inclusivo, com aumento do emprego e redução das desigualdades“, remata Mário Centeno.

(Notícia atualizada ás 21h32 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

S&P abre a porta à subida do rating. Outlook passa a positivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião