Hoje nas notícias: arrendamento, Aliança e ADSE

  • ECO
  • 19 Setembro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O meio desta semana fica marcado pelo nascimento do novo partido de Santana Lopes. A Aliança vai entregar esta tarde, no Tribunal Constitucional, as assinaturas recolhidas. O Partido Socialista, com outras preocupações, está empenhado em acabar com o polémico Balcão Nacional do Arrendamento, substituindo-o por um Serviço de Injunções em matéria de Arrendamento. Na educação, ainda há um quarto das escolas públicas que não estão a reutilizar os manuais escolares e, na saúde, a ADSE tem 65 mil potenciais beneficiários a aguardar decisão dos ministérios da Saúde e das Finanças.

PS quer acabar com “balcão dos despejos”

O grupo parlamentar do Partido Socialista (PS) avançou com um proposta de alterações à legislação das rendas que revoga o polémico Balcão Nacional do Arrendamento (BNA), substituindo-o por um Serviço de Injunções em matéria de Arrendamento (SIMA). Este novo serviço, que funcionará junto da Direção-Geral da Administração da Justiça, vai destinar-se tanto a senhorios como a inquilinos, que lá poderão fazer valer alguns dos seus direitos. Como a bancada esquerda o apelidou, o “balcão dos despejos”, ou BNA, foi criado com a lei das rendas, de 2012, e tinha como objetivo agilizar os despejos, tirando-os dos tribunais.

Leia a notícia completa em Jornal de Negócios (acesso pago).

É hoje que nasce o novo partido de Santana Lopes

O novo partido de Santana Lopes, Aliança — que terá a sua sede na Avenida da República — nasce durante a tarde desta quarta-feira com a entrega de assinaturas no Tribunal Constitucional. O próximo passo é a volta a Portugal, para passar a mensagem de que a Aliança já é oficialmente o novo partido. Será low-cost e terá uma academia de jovens a funcionar durante todo o ano.

Leia a notícia completa em Jornal i (acesso pago).

 

Um quarto das escolas públicas não reutilizam manuais

Ainda há escolas que não fazem a reutilização dos manuais escolares do ano anterior. Segundo a Secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, trata-se de um quarto das escolas públicas que faz “0% de reutilização”. Este ano letivo, as escolas públicas do 1.º ciclo reutilizam 10% dos manuais oferecidos pelo Governo no ano passado, o que corresponde a uma poupança de cerca de 1,2 milhões de euros e de 110 livros escolares.

Leia a notícia completa em Público (aceso pago).

Governo só abre ADSE a novos beneficiários após estudo

São cerca de 65 mil beneficiários que se encontram a aguardar a decisão dos ministérios da Saúde e das Finanças. O Governo exige, no entanto, que a abertura da ADSE aos trabalhadores com contrato individual seja antecedida de um estudo, e não tomará decisões sobre esta matéria enquanto não conhecer o impacto que estas entradas terão na receita e na despesa do sistema de assistência na doença aos funcionários e aposentados do Estado.

Leia a notícia completa em Público (acesso pago).

Salgado liberta imóveis históricos para construção de luxo

O vereador Manuel Salgado, que tem o pelouro das finanças e do imobiliário, vai libertar alguns imóveis históricos para construção de luxo. A desafetação dos oito edifícios está, no entanto, a suscitar dúvidas na Assembleia Municipal de Lisboa, que quer saber quanto é que vão valorizar os imóveis que a Câmara Municipal pretende vir a desafetar dos fins de utilidade pública, na zona da Avenida da Liberdade. Helena Roseta, que preside à Assembleia Municipal, enviou para Manuel Salgado um conjunto de questões e sustenta que, sem essas respostas, “podemos discutir, mas não podemos decidir”.

Leia a notícia completa em Jornal de Negócios (acesso pago).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: arrendamento, Aliança e ADSE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião