Transporte aéreo desacelera. Metropolitano atinge recorde

Enquanto o crescimento do número de passageiros nos aeroportos nacionais abrandou, no segundo trimestre do ano, o uso dos comboios e do metropolitano acelerou.

Quase 16 milhões de passageiros passaram pelos aeroportos portugueses, entre abril e junho deste ano. De acordo com os dados divulgados, esta quinta-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), no segundo trimestre, registou-se uma desaceleração deste tipo de movimento face ao primeiro semestre. Contrária evolução verificaram os transportes ferroviários (tanto comboio como metropolitano).

Na segunda metade do primeiro semestre, o número de passageiros movimentados (embarques, desembarques e trânsitos diretos) nos aeroportos nacionais atingiu os 15,5 milhões, o que representa uma subida homóloga de 6,8%, mas equivale a um abrandamento face ao aumento de 11,9% dos primeiros três meses do ano.

Destes 15,5 milhões de passageiros, 7,7 milhões passaram pelo aeroporto de Lisboa, o que reflete um aumento homólogo do movimento de 10,7% e uma desaceleração face à subida de 15,9% do primeiro trimestre. No Porto, a evolução registada ficou na mesma linha: 3,2 milhões de passageiros foram movimentados no Aeroporto Sá Carneiro, o que corresponde a uma subida homóloga de 11,1% e a um ligeiro abrandamento face ao avanço de 12%, no primeiro trimestre.

Já nos aeroportos de Faro, Ponta Delgada e Funchal, o número de passageiros recuou, neste segundo trimestre: diminuiu 1,4%, 0,6% e 4,7% respetivamente.

No total, no segundo trimestre, foram contabilizadas 58,6 mil aterragens nos aeroportos nacionais, o que representa uma subida de 4,7% e um abrandamento face à subida de 7%, dos primeiros três meses do ano.

Transporte ferroviário continua a aumentar

Movimento de passageiros na ferrovia acelerou.Paula Nunes / ECO

Depois de ter aumentado 3,2% nos primeiros três meses do ano, o transporte de passageiros por comboios voltou a crescer, neste segundo trimestre. Subiu 4,2% e atingiu os 37,5 milhões de utentes. “Este resultado reflete uma continuidade no andamento positivo iniciado no terceiro trimestre de 2014“, sublinha o INE.

Dentro deste modo de transporte, o suburbano foi o único a registar uma evolução positiva (cresceu 5,1% para 33,4 milhões de passageiros), tendo o tráfego interurbano e internacional encolhido, respetivamente, 2,2% e 11,6%.

Por sua vez, o número de passageiros que usaram o metropolitano acelerou, tendo crescido 5,4% para 62,9 milhões de passageiros, o que compara com a subida de 0,4% do primeiro trimestre.

“Este número de passageiros foi o mais elevado desde o início da série com as três redes de metro [Lisboa, Porto e Sul do Tejo]”, salienta o INE. O instituto realça que, só em abril, por efeito do “desfasamento do calendário do período de férias da Páscoa”, o número de passageiros disparou quase 10%.

Das três redes de metro portuguesas, foi a do Sul do Tejo a que mais cresceu: aumentou 6,6%, no segundo trimestre do ano. A lisboeta subiu 5,3% e a portuense aumentou 5,2%.

Subiu movimento de mercadorias nos portos

Movimento de mercadorias nos portos aumentou, na segunda metade do primeiro semestre.Pixabay 14 outubro, 2016

No segundo trimestre do ano, 3.878 embarcações de comércio deram entrada nos portos nacionais, o que equivale a uma subida modesta de 0,8%, que compara com o recuo de 4% registado de janeiro a março.

Quanto às mercadorias movimentadas, totalizaram-se 24 milhões de toneladas, representando um aumento de 2,3% e uma aceleração face à queda de 9,8% do trimestre anterior. Destas 24 milhões de toneladas, 11,3 milhões de toneladas foram movimentadas por Sines (recuando 0,8%). Lisboa e Leixões apresentaram uma subida de, respetivamente, 10,3% e 6,6%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transporte aéreo desacelera. Metropolitano atinge recorde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião