Depois de 40 anos de docência, é hoje a última aula do “Professor” Marcelo

  • Lusa
  • 20 Setembro 2018

O Presidente da República, que completa 70 anos em dezembro, irá presidir à sessão solene de abertura do ano académico 2018/2019 da Universidade de Lisboa e proferir a sua última lição na Aula Magna.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai dar hoje a sua última aula como professor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde também foi aluno. Marcelo preside à sessão solene de abertura deste ano académico e dá a sua última lição na Aula Magna, neste que é o adeus a 40 anos de docência, que começaram em 1972, quando se tornou assistente de duas cadeiras.

Pelo meio teve interrupções na altura em que foi deputado à Assembleia Constituinte, entre 1975 e 1976, e quando exerceu funções governativas, entre 1981 e 1983, no executivo chefiado por Francisco Pinto Balsemão – teve como seus alunos, entre outros, o atual primeiro-ministro, António Costa, e a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas.

De resto, manteve sempre a atividade docente em paralelo com a política, mesmo quando esteve na liderança do PSD, entre 1996 e 1999, e com o comentário na comunicação social.

Foi na faculdade de Direito que escolheu acompanhar a noite eleitoral das presidenciais de 24 de janeiro de 2016 e onde acabou por fazer o discurso de vitória, no átrio de entrada, como “gesto simbólico de profundo reconhecimento” para com esta instituição, tendo lecionado ainda o primeiro semestre do ano letivo 2016/2017.

Como aluno, Marcelo Rebelo de Sousa entrou na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa em 1966 e licenciou-se com média de 19, em 1971. Concluiu o mestrado em 1972 e, mais tarde, o doutoramento, em 1984. Foi no ano letivo de 1972/1973 que se tornou professor assistente das cadeiras de Economia Política e de Direito Internacional Público. Já doutorado, fez o concurso para professor associado, em 1986, para agregação, em 1988, e o concurso para professor catedrático em 1990, com nomeação definitiva em 1992.

Entre as cadeiras que lecionou mais tempo estão as de Direito Constitucional e Direito Administrativo, embora também tenha dado aulas de Introdução ao Estudo do Direito, Ciência Política, Economia, Finanças, Direito Fiscal, Direito Internacional Público, Direito Internacional Económico e Direito Público Comparado.

Como Presidente da República eleito, esteve num jantar de despedida na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa em fevereiro de 2016 e no dia 01 de março desse ano deu uma “aula de despedida” aos seus alunos de Direito Administrativo II do segundo ano, “uma aula simples”, que decorreu à porta fechada.

Já em agosto, o chefe de Estado anunciou aos jornalistas que tinha aceitado um convite do reitor da Universidade de Lisboa para dar a sua última aula na Faculdade de Direito na abertura do ano letivo 2018/2019. “É a última aula, é a última aula”, realçou.

Marcelo Rebelo de Sousa, que terá 72 anos em 2021, no final do seu mandato, fez este anúncio ao ser questionado se pensava voltar a dar aulas quando deixar de ser Presidente, isto após ter sido conhecida a intenção do Governo de acabar com a obrigatoriedade de reforma na função pública aos 70 anos.

Na quarta-feira, em Portalegre, o Presidente da República adiantou: “Esta última aula vai ser um bocadinho o retrato da minha vida, da minha vida académica. Como é um balanço, é um bocadinho olhar para trás e tentando não ser muito maçador, muito enfadonho, muito longo, recordar esse ritmo galopante à medida que o mundo mudava, a Europa mudava, o país mudava e a minha vida também mudava”.

Em maio de 2017, durante um debate sobre a Europa na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa declarou que ainda estava ligado àquela escola e pensava voltar a dar aulas de Direito “mais cedo ou mais tarde”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de 40 anos de docência, é hoje a última aula do “Professor” Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião