Fusão da Barrick e Randgold cria maior mineira de ouro do mundo. Operação avaliada 15 mil milhões

  • ECO
  • 24 Setembro 2018

A empresa resultante da fusão destas duas mineiras será cotada em Toronto e em Nova Iorque e vai produzir 6,5 milhões de onças de ouro por ano, tornando-se na maior do mundo.

A canadiana Barrick Gold e a britânica Randgold Resources vão unir-se e criar a maior mineira de ouro do mundo. A notícia é avançada, esta segunda-feira, pelo Financial Times (acesso pago), que detalha que a operação está avaliada em 18 mil milhões de dólares (cerca de 15,3 mil milhões de euros).

A empresa resultante da fusão das duas mineiras, que será cotada em Toronto e em Nova Iorque (o que significa que a bolsa de Londres vai perder a sua maior empresa do setor mineiro), vai produzir mais de 6,5 milhões de onças de ouro por ano, ultrapassando, assim, a atual maior empresa deste setor, a norte-americana Newmont.

A operação avalia as ações da Randgold em 49 libras, precisamente a cotação de fecho da empresa na última sexta-feira. Para além do preço oferecido, a Barrick oferece 6.128 das suas ações por cada ação da Randgold. Os acionistas da Rangold vão controlar 33,4% do capital da nova empresa. O restante capital será detido pelos acionistas da Barrick.

Para os analistas, o maior risco desta operação será a compatibilidade dos atuais líderes da Barrick e da Randgold: John Thornton, antigo banqueiro do Goldman Sachs que está à frente da Barrick desde 2014; e Mark Bristow, sul africano que fundou a Randgold em 1995.

“Temos sempre reservas quando personalidades ‘alfa’ assumem a liderança conjunta de uma empresa”, apontam os analistas da Investec, citados pelo Financial Times.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fusão da Barrick e Randgold cria maior mineira de ouro do mundo. Operação avaliada 15 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião