Governo intervém: Não haverá já pagamento a pronto na ADSE

  • ECO
  • 24 Setembro 2018

Os prestadores privados de cuidados de saúde tencionavam impor a 1 de outubro o pagamento a pronto pelos beneficiários da ADSE nos seus estabelecimentos, mas o Governo interveio para evitar a solução.

As negociações atrasadas entre a ADSE e os prestadores privados de cuidados de saúde estão a começar a deixar os segundos cada vez mais tensos, tendo a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) anunciado mesmo um boicote aos reembolsos pela ADSE. A APHP propusera-se a instaurar, a partir de 1 de outubro, um regime de pronto pagamento pelo beneficiário, mas o Ministério da Saúde interveio para o evitar, escreve esta segunda-feira o Expresso.

A nova meta para a ADSE e a APHP chegarem a um novo acordo sobre as novas tabelas de pagamentos passa para o final de 2018, em vez de 1 de outubro, refere o jornal, acrescentando que Adalberto Campos Fernandes interveio junto das instituições para evitar uma situação de boicote. A APHP tencionava exigir aos beneficiários da ADSE que pagassem a pronto todas as despesas em causa no seu atendimento, em vez de pedir apenas o custo tabelado para posteriormente receber um reembolso do subsistema de saúde pelo resto dos custos.

A ADSE e os hospitais privados deverão negociar agora até ao final do ano, mantendo, para já, um acesso inalterado dos beneficiários aos prestadores de cuidados de saúde privados com acordo com o subsistema dos funcionários públicos e pensionistas do Estado.

Na semana passada, os hospitais privados tinham manifestado preocupação com a lentidão do processo negocial. Num comunicado enviado às redações, a APHP referia que iria “exigir o pagamento das faturas a 60 dias”, de acordo com a lei de 2013 que o determina, contrariamente ao que está nos registos da ADSE, que é o pagamento a 120 dias, situação que considera “particularmente gravosa para os operadores”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo intervém: Não haverá já pagamento a pronto na ADSE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião