Ouvir músicas mais adequadas ao estado de humor? Deezer quer tornar playlists mais inteligentes

Um grupo de investigadores da plataforma de streaming de áudio quer aliar a inteligência artificial à classificação das músicas, de acordo com o estado de animo que transmitem.

Catalogar as músicas, através das suas letras, em estados de ânimo não é propriamente novo. Várias plataformas de música já o fazem, classificando as músicas em categorias que vão de melancólicas a divertidas ou energéticas. Mas os investigadores da Deezer – um serviço de streaming de áudio lançado em 2007 – quiseram ir mais longe.

Estes profissionais descobriram uma maneira de fazer com que o sistema de inteligência artificial (IA) considere uma série de fatores antes de catalogar determinada música, revela o Engadget (acesso livre, conteúdo em inglês). Trata-se de um sistema de aprendizagem mais aprofundado, que mede a emoção e a intensidade de uma faixa, tendo em conta uma grande variedade de dados, não apenas um único fator, por exemplo as letras.

Primeiro, os investigadores enviaram sinais de áudio para uma rede neural, juntamente com modelos que reconstroem os contextos linguísticos das letras. Para ensinar o sistema como determinar o estado de ânimo de uma música foi utilizado o Million Song Dataset (MSD), uma coleção de metadados para mais de um milhão de músicas contemporâneas.

O grande objetivo do estudo desta equipa de investigadores, intitulado “Music Mood Detection Based on Audio Lyrics With Deep Neural Nets”, foi analisar como é que as músicas, letras e humores se podem interligam. A associação entre áudio e letras, com recurso à IA, ajudou a medir a energia de uma determinada faixa, de forma mais eficaz do que as técnicas anteriores.

“Parece que este ganho de desempenho é o resultado da capacidade do nosso modelo [de inteligência artificial] de desvendar e usar correlações de nível médio entre áudio e letras”, escreveram os pesquisadores no artigo.

No entanto, este sistema que pretende tornar as playlists mais inteligentes ainda não está pronto para começar a ser utilizado em plataformas como o Deezer. A ideia é que o sistema continue a ser aperfeiçoado para que, no futuro, o trabalho de classificar o “humor” de uma música possa ser delegado a uma máquina, e não aos funcionários do Deezer.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ouvir músicas mais adequadas ao estado de humor? Deezer quer tornar playlists mais inteligentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião