Theresa May promete às empresas os impostos mais baixos do G20 após saída da União Europeia

  • Lusa
  • 26 Setembro 2018

“Seja qual for a vossa empresa, investir no Reino Unido depois do ‘Brexit’ vai dar-vos a taxa de imposto sobre as empresas mais baixa do G20”, disse a primeira-ministra britânica.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, prometeu esta quarta-feira que, após a saída da União Europeia (UE), o Reino Unido vai oferecer às empresas os impostos mais baixos do G20, o grupo das maiores economias do mundo.

“Seja qual for a vossa empresa, investir no Reino Unido depois do ‘Brexit’ vai dar-vos a taxa de imposto sobre as empresas mais baixa do G20”, disse a primeira-ministra conservadora num fórum empresarial global organizado pela Bloomberg em Nova Iorque.

“O Reino Unido pós-‘Brexit’ será, sem dúvida, um Reino Unido pró-empresas”, disse.

Theresa May confirmou números que constam do programa do Partido Conservador de uma redução do imposto sobre as empresas de 19% para 17% até 2020. A primeira-ministra assegurou que o seu Governo está “completamente comprometido” com a continuidade das suas relações bilaterais e em forjar “os acordos de comércio livre mais dinâmicos e ambiciosos com os parceiros de sempre e com novos aliados”.

A dirigente destacou, por outro lado, “o acesso a serviços e a um centro financeiro em Londres que são invejados no mundo inteiro” e assegurou que a saída da UE não vai ser um problema para as empresas com sede no Reino Unido.

“A liberdade de circulação chegará ao fim, mas vamos pôr em marcha um novo sistema de imigração que permitirá às empresas e universidades atrair os melhores”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Theresa May promete às empresas os impostos mais baixos do G20 após saída da União Europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião