Qual o destino turístico mais popular da Europa? Portugal nem está no top cinco

Três dos cinco destinos turísticos mais populares a nível europeu são espanhóis. Ainda assim, no total, os viajantes passaram mais noites nas cidades portuguesas que nas do vizinho ibérico.

O arquipélago espanhol das Canárias é o destino turístico mais popular da Europa. De acordo com os dados divulgados, esta quinta-feira, pelo Eurostat, mais de metade dos turistas mundiais escolheram visitar o Velho Continente, em 2016. Das cinco localidades onde esses viajantes passaram mais tempo, três são espanholas. Ainda assim, no total, os turistas passaram mais noites nas cidades portuguesas do que nas de Espanha.

“Em 2016, os turistas passaram quase 103 milhões de noites na região espanhola das Canárias. A segunda região mais popular foi também em Espanha, na Catalunha, com quase 80 milhões de noites. Na quinta posição aparece outra região litoral espanhol, as Ilhas Baleares, com quase 70 milhões de noites em acomodações turísticas”, sublinha o Gabinete de Estatísticas da União Europeia.

Na terceira e quarta posições, aparecem a região de Jadranska Hrvatska na Croácia (com 74 milhões de noites) e a região francesa de Île, com 71 milhões de noites.

Número de noites passadas nas cidades portuguesas ficou acima da média comunitária.Eurostat

Apesar do domínio espanhol deste ranking, Espanha aparece a meio da tabela no que diz respeito ao número de noites registados em todo o país. De facto, nesse caso, Portugal consegue mesmo ultrapassar os vizinhos ibéricos, no que diz respeito ao turismo de cidades, ficando acima da média comunitária, mas abaixo de seis outros Estados-Membros: Letónia, Estónia, Malta, Roménia, Irlanda e República Checa.

Dentro de Portugal, foram as regiões do Algarve e de Lisboa as mais populares, registando mais de 15 milhões de noites. Pelo contrário no Alentejo, foram contabilizadas menos de 2,5 milhões de noites.

A propósito, o primeiro-ministro defendeu, esta quinta-feira, que é preciso “aumentar a intensidade” deste setor no país, de modo a igualar a média da União Europeia, onde o turismo vale 10% do produto interno bruto. “Ao contrário da ideia de que há turistas a mais, quero dizer que não há turistas a mais em Portugal. Pelo contrário, temos de aumentar a intensidade do turismo em Portugal”, salientou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual o destino turístico mais popular da Europa? Portugal nem está no top cinco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião