Open Source Lisbon mostra soluções inovadoras e potencial destas tecnologias

Pelo palco do Open Source Lisbon passaram casos de sucesso de várias empresas, desde a energética EDP ao Pestana Hotel Group, da tecnológica Microsoft à francesa de comércio online La Redoute.

Para se manterem na linha da frente da transformação digital, as empresas estão preocupadas em impulsionar o seu desempenho no que toca à inovação. As pessoas e as instituições têm de se adaptar à nova realidade, defendeu Eduardo Taborda, managing director da Syone, que abriu o Open Source Lisbon a dizer que, neste momento, “há desafios e preocupações”.

“Mas é para isso que estamos aqui, para propor soluções e enfrentar os desafios”, disse no palco daquele que é considerado o maior evento de open source em Portugal, perante os mais de 400 de participantes que assistiram às conferências ao longo do dia.

Aprender a implementar nas empresas as tecnologias open source, através de case studies, e perceber como é que esta abordagem colaborativa está na base da evolução tecnológica foi o intuito do evento. Gestores de negócio e entusiastas das tecnologias puderam, de facto, descobrir como é que as empresas, nacionais e internacionais, estão a fazê-lo e absorver as melhores ideias para os seus próprios negócios.

Pelo palco passaram 26 speakers, cerca de uma dezena de portugueses. As empresas que falaram dos seus casos foram desde a energética EDP ao Pestana Hotel Group, da tecnológica Microsoft à francesa de comércio online La Redoute.

Marco Gouveia, do Pestana Hotel GroupAfonso Castella (Syone)

As ideias são várias e os nomes podem parecer, à primeira vista, complicados para quem não é um expert em tecnologia, mas, no fim, a ideia é a mesma: passa por inovação, liderança e adaptação, no meio de um mundo que está a transformar-se a um ritmo muito acelerado. E isto todos os gestores de qualquer negócio querem, adaptar-se aos novos hábitos e às novas exigências dos consumidores, por exemplo.

O grupo Pestana Hotel, por exemplo, está a fazê-lo com a ajuda da Google, depois de ter percebido que “o mobile é mais importante do que o desktop ou o tablet“, disse Marco Gouveia, do grupo hoteleiro. A EDP utiliza as tecnologias open source, nomeadamente no EDP Contact, de modo a melhorar experiência do cliente. A WalliD quer utilizar a blockchain como uma ferramenta do dia-a-dia e, para isso, está a empenhada em armazenar os dados do cartão de cidadão numa carteira blockchain.

Estes são apenas alguns dos exemplos do que se está a fazer com recurso às open source, mas, entre mobile e desktop, machine learning e artificial intelligence, blockchain e cloud ou kubernets e data center, pode parecer que se trata apenas de tecnologia. “Não é só sobre tecnologia, é sobre pessoas também”, disse Rafael Achaerandio, da Microsoft, durante a sua intervenção.

O painel de discussão sobre “Digital Rights and Internet Security” foi composto por, da esquerda para a direita, Deb Nicholson (Software Freedom Conservancy), Thomas Lohninger (Epicenter.Works), Maddalena Falzoni (Maadix), Gustavo Homem (Solid Angle) e David Nelson (Darkiron)Afonso Castella (Syone)

A segurança na Internet não ficou esquecida, ficando claro que a confiança é um dos pontos mais importantes e que privacidade e segurança são questões que merecem e precisam de atenção redobrada.

“Soluções open source são um dos pilares da revolução digital”

No final do evento, o managing director da Syone disse ao ECO que o balanço é “extremamente positivo”, uma vez que foram atingidos e ultrapassados todos os objetivos propostos. “Penso que estivemos ao mais alto nível na produção e na realização do evento. Conseguimos espelhar a cultura open source e o que ela traz para o mundo atual dos negócios, com ideias inovadoras e disruptivas a surgir todos os dias e em que tudo acontece com cada vez maior dinâmica e rapidez”, afirmou.

"Conseguimos espelhar a cultura open source e o que ela traz para o mundo atual dos negócios”

Eduardo Taborda

Managing director da Syone

Além disso, Eduardo Taborda disse que os case studies, a nível nacional e internacional, confirmaram “que as soluções open source são, de facto, um dos pilares fundamentais da revolução digital que vivemos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Open Source Lisbon mostra soluções inovadoras e potencial destas tecnologias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião