Miranda Alliance junta-se ao Global Legal Blockchain Consortium

A Miranda Alliance integrou o Global Legal Blockchain Consortium, que conta com cerca de 90 grandes empresas dedicadas a desenvolver a tecnologia blockchain no direito.

A Miranda Alliance juntou-se ao Global Legal Blockchain Consortium (GLBC) como a primeira rede de escritórios africana. A GLBC conta com cerca de 90 grandes empresas, escritórios de advocacia, empresas de software e universidades dedicadas a desenvolver a utilização da tecnologia blockchain na área do direito.

“Acreditamos que esta é uma grande responsabilidade para a nossa firma”, afirma Catarina Cunha e Távora, sócia da Miranda e responsável da equipa de IT. “A tecnologia blockchain tem potencial para mudar significativamente o cenário da prestação de serviços jurídicos em todo o mundo nos próximos anos. Neste contexto, defendemos que poderá ser particularmente impactante em África e contribuir para dinamizar a prática jurídica no continente”.

Para Diogo Xavier da Cunha, presidente do conselho de administração da Miranda, “o foco multi-jurisdicional da Miranda Alliance em África permitirá utilizar a nossa experiência regional para partilhar ideias e colaborar com as outras entidades da comunidade que integra o GLBC. Queremos contribuir para o desenvolvimento desta tecnologia inovadora em benefício dos nossos clientes e do continente”.

Já David Fisher, diretor e fundador do Global Legal Blockchain Consortium, afirmou que do seu lado estão “muito entusiasmados por poder contar com a Miranda Alliance na nossa organização. A sua presença em África e no resto do mundo traz uma nova perspetiva sobre o Blockchain para o GLBC. Estamos ansiosos por esta colaboração e contributos futuros que daqui podem advir”.

A Miranda Alliance presta, atualmente, serviços jurídicos em cerca de 26 escritórios espalhados por 18 países e quatro continentes, onde se incluem alguns dos mercados africanos de maior crescimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Miranda Alliance junta-se ao Global Legal Blockchain Consortium

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião