Pedro Rebelo de Sousa: “Não acredito em privatizações a partir do mercado de capitais”

Pedro Rebelo de Sousa, advogado especialista em privatizações e sócio da SRS Advogados, falou, em entrevista à Expansão, sobre Angola, a presença do FMI e a evolução do seu sistema financeiro.

Pedro Rebelo de Sousa, sócio da SRS Advogados, defende que o governo deve avaliar bem o património das empresas públicas antes de as privatizar. “É fundamental obedecer a critérios de transparência e não entregar as empresas a grupos sem capacidade financeira”, disse, numa recente entrevista ao Expansão.

Sobre privatizações por via de mercado de capitais, o advogado revela ser “muito cético” sobre estas contribuírem para uma maior dinamização. “Não acredito [em soluções dos mercados de capitais] por várias razões. Não há em Portugal, como em Angola, uma cultura de mercado bolsista, ao contrário dos países anglo-saxónicos, de investir na bolsa. Muito da lusofonia, com exceção um pouquinho do Brasil, que é influenciado pelos Estados Unidos, não tem um mercado de capitais ativo”, explicou.

Sobre Angola, que pretende vir a privatizar cerca de 70 empresas públicas a médio prazo, o jurista diz que o país deve conciliar o racional financeiro e a componente estratégica nas suas políticas, aponta o advogado, especialista em privatizações. “Não existe um modelo único de privatizações, mas defendo que é preferível o Estado regulador eficiente que privatize e ponha as empresas a funcionar no setor privado do que manter-se um sistema do setor público ineficiente. Por outro lado, também sou defensor das Parcerias Públicas e Privadas (PPP) em certos setores”.

O jurista alertou também para a importância de não se correr o risco de se privatizar empresas públicas a grupos que não tragam dinheiro nem conhecimento.O pior erro que pode acontecer nas privatizações é o processo acontecer sem obedecer critérios de transparência. Não se pode passar as empresas públicas para adquirentes que não tenham valências, se assim não for, vai-se passar para o setor privado uma empresa que daqui a um tempo vai falir. Ou seja, vai-se criar um ‘malparado’ do outro lado”.

Acredito que o primeiro passo que está a ser dado inteligentemente é uma indicação de que Angola entrou num novo ciclo”, realça o advogado, que refere que o país entrou num novo ciclo político, económico e social, onde se têm priorizado as políticas de credibilização do sistema financeiro.

Já para Angola poder atrair investidores estrangeiros tem de existir, primeiro, credibilidade e estabilidade legislativa “porque os investidores têm horror a flutuações nas economias, em que um dia é uma coisa, no dia seguinte é outra”, referiu o sócio da SRS. “Tem que haver estabilidade na legislação laboral, na legislação fiscal, no funcionamento dos tribunais, porque são componentes que dão confiança aos investidores estrangeiros“.

Sobre o país ter recorrido ao Fundo Monetário Internacional (FMI), Rebelo de Sousa considera que “há um momento em que o que é necessário para mudar a perceção internacional e também para ter um respaldo mínimo para repor a economia a funcionar”.

“Não é apenas o dinheiro do FMI. O dinheiro do FMI é um catalisador atrás do qual pode vir mais financiamento, maior credibilidade do investidor estrangeiro. O FMI, no fundo, introduz maior credibilidade às mudanças de políticas económicas e financeiras de um país”, conclui o jurista, que diz já ter saído de Luanda com a sensação de existir otimismo local. “Se isto é uma verdade, já é boa notícia. Vejo isto sobretudo na classe média e nas elites“.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Rebelo de Sousa: “Não acredito em privatizações a partir do mercado de capitais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião