Já há duas listas para concorrer contra Tomás Correia na Associação Mutualista

Listas derrotadas nas últimas eleições falharam acordo com Fernando Ribeiro Mendes e vão avançar com candidatura à Associação Mutualista. Ribeiro Mendes inicia campanha eleitoral esta quarta-feira.

As listas que perderam as últimas eleições para Tomás Correia vão avançar com uma candidatura própria para a liderança da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG), isto depois de falhado o acordo com o único candidato já anunciado, Fernando Ribeiro Mendes, no sentido de apoiar uma solução alternativa única para derrotar o atual presidente da instituição.

Ao que o ECO apurou, dirigentes destas listas derrotadas, que integram nomes como António Godinho, Bagão Félix, Eugénio Rosa e Manuel Rogério, e Fernando Ribeiro Mendes mantiveram conversas até ao início desta semana para fechar um entendimento de última hora, mas sem sucesso.

“O assunto está arrumado. Cada um vai seguir o seu caminho”, disse uma fonte próxima das negociações do lado das listas derrotadas em 2015 ao ECO, reconhecendo que se falhou o objetivo de haver apenas uma única lista a concorrer contra Tomás Correia (que ainda não anunciou candidatura). “Desbloqueado este impasse, isto agora vai ter de acelerar com o calendário apertado que temos pela frente”, acrescentou a mesma fonte.

As eleições para os órgãos sociais da AMMG vão ter lugar já no próximo dia 7 de dezembro. Os associados são chamados a eleger o Conselho de Administração da Associação Mutualista Montepio, a Mesa da Assembleia Geral, o Conselho Fiscal e o Conselho Geral para o triénio 2019-2021. Mas, antes disso, os candidatos terão de entregar as suas listas até final deste mês.

"O assunto está arrumado. Cada um vai seguir o seu caminho.”

Fonte próxima das negociações

Para já, apenas Fernando Ribeiro Mendes anunciou a intenção de concorrer às eleições para a maior mutualista do país, que conta com mais de 600 mil associados, mas tudo indica que a corrida eleitoral deverá ser feita a três.

O administrador dissidente da AMMG tem esta quarta-feira uma primeira aparição pública enquanto candidato, participando num encontro público que reúne o grupo de subscritores do designado Manifesto Anti-Tomás Correia, incluindo João Costa Pinto (ex-Banco de Portugal) e João Proença (ex-UGT) a ter lugar num hotel em Lisboa. Ainda não são conhecidos os nomes que vão integrar a sua lista.

Já Tomás Correia, que tem feito tabu sobre a sua candidatura a um quarto mandato, já adiantou que o atual conselho de administração que lidera vai apresentar uma lista mesmo que não seja encabeçada por si.

Que não haja “dúvidas de que vai aparecer um candidato proposto pelo [atual] conselho de administração”, disse há cerca de duas semanas Tomás Correia, citado pela agência Lusa. Na altura, o presidente da AMMG deixou algumas bicadas à concorrência que se perfila: “As alternativas não têm qualidade e não têm determinação para poder assumir tamanha responsabilidade”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há duas listas para concorrer contra Tomás Correia na Associação Mutualista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião