Associação Mutualista Montepio elege novo presidente a 7 de dezembro

Já há data para as eleições dos órgãos sociais da maior associação mutualista do país: 7 de dezembro. As listas candidatas terão de ser entregues no mês de outubro.

Os associados da Associação Mutualista Montepio Geral vão eleger nos novos órgãos sociais da instituição para o triénio 2019-2021 no próximo dia 7 de dezembro, com o ato eleitoral a decorrer entre as 9h00 e as 18h00 desse dia, segundo a convocatória divulgada esta segunda-feira.

As eleições para a maior mutualista do país terão lugar na sede da maior mutualista do país, situada na Rua Áurea, em Lisboa, embora sejam permitidos votos por correspondência, de acordo com a nota assinada pelo presidente da Mesa da Assembleia-Geral, o padre Vítor Melícias.

Os candidatos terão de entregar as suas listas durante o mês de outubro. Ainda não se sabe se o atual presidente, Tomás Correia, vai apresentar candidatura, conhecendo-se, para já, apenas um candidato: Fernando Ribeiro Mendes, o administrador dissidente da Associação Mutualista, que anunciou em julho que vai concorrer às eleições.

Ribeiro Mendes poderá vir a encabeçar a lista do grupo destacado de associados descontentes e que pretende lançar uma lista única alternativa para concorrer com Tomás Correia nas próximas eleições, embora o seu nome não seja consensual — há quem aposta no nome do vice-presidente da Cruz Vermelha, Alexandre Abrantes, para liderar uma lista única de oposição, conforme avançou o ECO em primeira mão.

Do lado de Tomás Correia, que venceu as últimas eleições que ocorreram em 2015, obtendo 61% dos votos nesse ato eleitoral, o nome de Maria de Belém poderá vir a assumir maior protagonismo caso o atual presidente não formalize uma candidatura.

Na última sexta-feira, o atual presidente da Associação Mutualista disse que ainda não tinha decidido se se candidatava para um novo mandato, “uma vez que isso depende de “muita interação, muito diálogo em torno do caminho e das pessoas mais hábeis para percorrer o caminho”. Mas “não tenham dúvidas de que vai aparecer um candidato proposto pelo [atual] Conselho de Administração para o Conselho de Administração”, garantiu.

Sobre os candidatos que se perfilam na oposição, Tomás Correia afirmou que “não tem qualidade e não têm determinação para poder assumir tamanha responsabilidade”.

A Associação Mutualista Montepio apresentou lucros de 587 milhões de euros em 2017, um resultado justificado pelo apuramento de créditos fiscais de quase 810 milhões de euros e que permitiu à instituição sair de uma situação de capitais próprios negativos em 250 milhões de euros para capitais próprios de 510 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associação Mutualista Montepio elege novo presidente a 7 de dezembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião