EDP junta-se a gigantes à procura da energia das startups

A poucas horas de se conhecer a startup vencedora do Free Electrons, que acontece esta semana em Berlim, fomos descobrir quais as principais tendências que marcam o setor da energia.

Berlim recebe esta semana a final do Free Electrons, um programa para startups, organizado por gigantes elétricas dos quatro cantos do mundo. Entre dois dias de várias conversas, trocas de ideias e pitchs, como aproveitar e melhorar a energia são os temas mais quentes. Entre as várias tendências para o futuro, há uma previsão que fica na cabeça: a energia vai ser tão abundante que o custo de a produzir vai ser praticamente zero, tendo as empresas de encontrar novas formas para reinventar o seu modelo.

À conversa com o ECO, Luís Manuel, administrador da EDP Inovação, explica que “estamos numa fase dos 3 D’s: descarbonização, descentralização e digitalização”. O administrador da EDP, uma das elétricas fundadoras e presentes no evento, revela que o objetivo do Free Electrons é aliar as mais-valias das empresas do setor (utilities) às capacidades que as startups têm para desenvolver ferramentas. “Há uma aprendizagem muito relevante”, diz.

Mas, para que isso aconteça da melhor maneira possível, é importante conhecê-las. “A primeira fase do concurso foi em Lisboa, onde realizamos um bootcamp para conhecê-las melhor. Fazem-se amigos, as pessoas acabam por se conhecer e isso é o ingrediente-chave para que as ligações aconteçam”.

Luís Manuel, administrador da EDP InovaçãoAlexandre Lopes

Foram 515 as candidaturas recebidas, mas apenas 15 chegaram à final. Quer saiam vencedoras — ou não –, todas chegam ao fim com, pelo menos, uma parceria feita com uma das dez gigantes elétricas presentes e fundadoras.

Só a EDP investiu em quatro startups — as portuguesas Loqr e Jungle, a francesa Sterblue e a SOLShare, do Bangladesh –, e realizou nove projetos-piloto com outras, desde o ano passado, a primeira edição do concurso de startups. A regra, explicou Luís Manuel, é “investir quando faz sentido no contexto da tecnologia e quando há disponibilidade”.

“Hoje assinámos mais contratos pilotos e há uma startup que consegue prolongar a vida útil das baterias. Isso interessou-nos e pode contribuir para a redução dos custos e para o armazenamento elétrico. É importante que haja mais renováveis e tudo o que ajude a reduzir o custo pode ser positivo“, continuou. O administrador defende ainda que a “microgeração vai ser o fenómeno dominante em praticamente todo o lado, porque vai permitir vender o excedente aos outros clientes”, sendo essa uma das principais preocupações do setor.

“Se a energia puder usar tecnologias para chegar ao cliente, é uma grande mais-valia”

Produzir em cidades e fora delas a própria energia e fazer uma rede para a vender uns aos outros“. É a resposta de Manuel Tânger, um dos fundadores da Beta-i (aceleradora responsável pela organização do Free Electrons), sobre as tendências da energia. Esse é o caso da SOLShare: a startup pretende levar energia de painéis solares que não é aproveitada até pequenas vilas de Bangladesh sem acesso a eletricidade.

“Quando precisas de contratos para compra e venda de energia casa a casa, precisas de blockchain, baterias ligadas a esses sistemas e que, depois, se ligam à rede”, continuou. Para além disso, soma-se outro ponto “bastante transversal”, os dados. “As startups que conseguem capturar informação da energia, que passa a um nível de precisão tão alto, percebem qual o tipo de equipamento que está a ser utilizado e as suas falhas. Isso vai permitir diferentes modelos de negócio, e maior poupança e gestão de consumo”.

Manuel Tânger, cofundador da Beta-i, organização parceira do concurso Free Electrons.Alexandre Lopes

Dois anos de energia

Realizado pela segunda vez e criado como um “programa de inovação aberta”, o Free Electrons permite “trazer inovação para dentro de grandes empresas que muito dificilmente conseguem inovar com tanta rapidez. As startups têm acesso a deals com empresas gigantes que conseguem chegar a mercados enormes”, explica Manuel. Para se destacarem, as startups precisam de um “produto minimamente robusto mas não completamente fechado”, uma vez que a maioria das utilities tem exigências mais particulares, o que vai permitir adaptar os produtos. “Elas têm de estar preparadas e precisam de ter pessoas suficientes para uma expansão muito rápida“, avisa o cofundador da Beta-i.

Se a indústria puder usar essas tecnologias [blockchain e inteligência artificial] para chegar até ao cliente, considero que é uma grande mais-valia.

May Liew

SP Group (Singapura)

May Liew está na final do Free Electrons, em Berlim, e representa o SP Group, uma espécie de EDP em Singapura. Em conversa com o ECO, confessa que vem à procura de soluções relacionadas com a tecnologia blockchain e de Inteligência Artificial (IA), uma “área com enorme potencial”. Contudo, prefere esperar para ver como isso pode mudar a indústria da energia. “Pode ser muito perturbador se houver um salto rápido e agressivo”, assinala. Em contrapartida, esse tipo de soluções podem “ajudar [a indústria] a levá-la para o próximo nível, de uma maneira mais razoável”, cenário com probabilidade elevada, acredita a vice-presidente. “Se a indústria puder usar essas tecnologias para chegar até ao cliente, considero que é uma grande mais-valia“.

Para as startups, May deixa um recado: “Elas podem juntar-se ao Free Electron porque nós, utilities, trazemos uma enorme base de utilizadores. Em vez de irem atrás dos clientes, podem trabalhar connosco e integrar a sua solução para ter um grande acesso ao mercado e a bases de clientes“.

May Liew, vice-presidente do SP GroupAlexandre Lopes

Daqui a dez anos, Manuel Tânger, da Beta-i, acredita que vamos alcançar um estado de “abundância energética que vai ser praticamente free”, ou seja, o custo de a produzir vai “tender para zero”. “A energia está numa fase muito gira porque as startups e as empresas vão ter modelos de negócio que não serão a venda de energia. As EDP da vida vão ter de se reinventar. Mas elas [as startups] estão cá para isso mesmo, para ajudar esse esforço de encontrar o modelo de negócio do futuro“.

(A jornalista viajou até Berlim a convite da EDP)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

EDP junta-se a gigantes à procura da energia das startups

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião